Hiperlipidemia e o alimento Gastro Intestinal Low Fat da ROYAL CANIN®

Hiperlipidemia e o alimento Gastro Intestinal Low Fat da ROYAL CANIN®

Resultados do alimento Gastro Intestinal Low Fat da ROYAL CANIN® na versão seca indicam os grandes benefícios do manejo nutricional em pacientes hiperlipidêmicos; saiba mais

A hiperlipidemia é uma alteração comum em cães e definida como um aumento anormal nos lipídeos sanguíneos, incluindo triglicerídeos e/ou colesterol. Tal aumento é atribuído a um distúrbio no metabolismo de lipoproteínas no plasma. Conforme a família de lipídeos envolvidos, pode-se utilizar os termos “hipertrigliceridemia” ou “hipercolesterolemia”.

A hiperlipidemia pós-prandial é fisiológica e desaparece em 7-12 horas após a refeição. Depois desse período de jejum, a hiperlipidemia torna-se um problema e pode ser classificada como primária ou secundária, dependendo de sua origem.

Hiperlipidemia primária e secundária e suas complicações

A hiperlipidemia secundária pode ser causada por distúrbios endócrinos (p. ex., hipotireoidismo, diabetes mellitus ou hiperadrenocorticismo), colestase, nefropatia com perda proteica, obesidade ou pelo uso de dietas muito ricas em gordura.

Ainda não se sabe se a hiperlipidemia pode ocorrer como resultado de pancreatite ou ser uma causa dessa doença pancreática. No entanto, os cães com histórico de pancreatite demonstram concentrações mais altas de triglicerídeos do que aqueles sem esse tipo de histórico.

Hiperlipidemia primária (ou familiar) é diagnosticada quando todas as causas secundárias foram descartadas, e é frequentemente relacionada a raças específicas, sobretudo o Schnauzer miniatura.

Os cães que sofrem de hiperlipidemia secundária geralmente exibem sinais clínicos de alguma doença subjacente. No caso de um distúrbio lipídico primário, o cão pode permanecer assintomático ou desenvolver doenças secundárias, dependendo do grau de acúmulo de lipídeos.

As possíveis complicações de hiperlipidemia incluem pancreatite, doença hepática ou biliar, aterosclerose, doença ocular e crises convulsivas. A hipertrigliceridemia idiopática é associada a um aumento na atividade das enzimas hepáticas séricas em Schnauzer miniatura saudável.

Por essa razão, é normalmente recomendado o controle da hipertrigliceridemia, com o objetivo de reduzir as concentrações séricas dos triglicerídeos para um nível abaixo de 500 mg/dL, mesmo quando os sinais clínicos não estiverem presentes.

A abordagem mais comumente recomendada para alcançar esse objetivo é fornecer uma dieta com baixo teor de gordura. “Quanto menos, melhor” é a máxima geralmente aceita (com uma relação de gordura-energia estabelecida em um limiar teórico de 20% de energia derivada da gordura). Contudo, os estudos clínicos sobre esses assuntos em cães eram inexistentes até pouco tempo.

Estudo com a Gastro Intestinal Low Fat da ROYAL CANIN®

Um estudo de 2011 feito com o uso da dieta Gastro Intestinal Low Fat da ROYAL CANIN® na apresentação seca foi conduzido em um grupo sensível de cães da raça Schnauzer miniatura para avaliar sua eficácia sobre a hipertrigliceridemia primária.

No estudo, 15 cães foram inscritos para avaliar suas concentrações séricas de triglicerídeo, colesterol e lipase pancreática (lipase pancreática canina específica) antes e 8 semanas depois do fornecimento da dieta Gastro Intestinal Low Fat da ROYAL CANIN®.

As concentrações de triglicerídeo e colesterol revelaram uma diminuição bastante expressiva dentro de dois meses. Além disso, a proporção de cães com hipertrigliceridemia e/o u hipercolesterolemia foi significativamente mais baixa após a troca da dieta.

Não foi encontrado nenhum cão com triglicerídeo >500 mg/dL após 8 semanas da alimentação. Outra publicação do mesmo autor confirma esses resultados 8 satisfatórios ao longo de 10 semanas. Nenhuma diferença estatística foi encontrada nas concentrações da lipase pancreática, embora elas tenham se aproximado do limiar significativo (p = 0,052 versus 0,05).

Pela primeira vez, foi clinicamente comprovado que uma dieta pobre em gordura (com 18,6 g de gordura para cada 1.000 kcal, com base na energia mensurada) melhora o perfil lipídico sérico de cães hiperlipidemicos.

Os resultados deste estudo também sugerem que a dieta Gastro Intestinal Low Fat da ROYAL CANIN® seja eficaz na redução das concentrações séricas de triglicerídeos abaixo dos valores considerados como de risco para a doença. Com isso, a prescrição do alimento coadjuvante ao tratamento da hiperlipidemia auxilia na melhora clínica do paciente hiperlipidêmico.

ROYAL CANIN® produz alimentos coadjuvantes ao tratamento de cães com hiperlipidemia nas versões seca e úmida. Saiba mais em https://portalvet.royalcanin.com.br/produtos/.

 

Referências bibliográficas

BAUER, J. E; Evaluation and dietary considerations in idiopathic hyperlipidaemia in dogs, JAVMA, 1995, Vol 206 N°11, 1684, 1688.

CAVE, N. Nutritional management of Gastrointestinal diseases. in Applied veterinary clinical nutrition. Wiley- Blackwell. 2011. Chapter 12, p 175-219.

ELLIOTT, D. A. Dietary and medical considerations in hyperlipidaemia. In: Ettinger SJ, Feldman EC. eds. Textbook of Veterinary Internal Medicine. St. Louis, Missouri: ElsevierSaunders; 2005:592-595.

ETTINGER, S. J.; FELDMAN, E. C. 2010 – Textbook of Veterinary Internal Medicine. Ed Saunders 2010, Chapter 181 (710- 715).

XENOULIS, P. G. Effect of a low-fat diet on serum lipid and pancreatic lipase concentrations and lipoprotein profiles in Miniature Schnauzers with hyperlipidaemia. Texas A&M University Thesis: “Investigations into Hyperlipidaemia and its possible associations with pancreatitis in dogs”, chap. V, p 114-137.

XENOULIS, P. G. et al.Serum liver enzyme activities in healthy miniature Schnauzer with and without hypertriglyceridaemia, JAVMA 2008, 232, 1, 63-67.

XENOULIS, P. G., STEINER, J. M. et al. Lipid metabolism and hyperlipidaemia in dogs, The Veterinary Journal 2010; 183:12-21.

XENOULIS, P. G.; SUCHODOLSKI, J. S.; STEINER, J. M. Effect of a low-fat diet on serum triglyceride, cholesterol and Spec cPL concentrations in Miniature Schnauzers with hypertriglyceridaemia. J Vet Intern Med 2011; 25:20-25.