Suporte nutricional nas dermatopatias

Suporte nutricional nas dermatopatias

As dermatopatias representam aproximadamente 20% do total das consultas veterinárias. Quando o animal apresenta problemas dermatológicos ou tem tendência a desenvolvê-los, um suporte nutricional específico pode ser necessário

A pele é o maior órgão do corpo, sendo parte do sistema tegumentar (junto aos pelos, unhas, glândulas sudoríparas e sebáceas), e tem como principais funções:

  • Proteção contra agentes externos
  • Proteção dos tecidos subjacentes
  • Regulação da temperatura corpórea
  • Manutenção da hidratação
  • Reserva de nutrientes
  • Sensorial (tato)

Por sua constante renovação celular, a pele necessita ser provida diariamente com quantidades adequadas de determinados nutrientes para que sua estrutura e funções sejam mantidas. Por isso, uma nutrição completa e balanceada é o ponto de partida para a manutenção de uma pele saudável.

A ingestão de proteínas, gorduras, carboidratos, vitaminas e minerais em teores adequados são essenciais para a saúde e reparação cutânea. Alguns nutrientes foram identificados e comprovaram eficácia na manutenção da saúde da pele, nos processos de reepitelização, cicatrização e estimulação do sistema imune. Veja mais detalhes abaixo.

Nutrientes e seus benefícios para a pele do animal

Proteínas

Cerca de 30% do requerimento diário de proteínas na dieta é direcionado para a manutenção de pele e pelagem saudáveis. Por isso, é de extrema importância que sejam utilizadas fontes proteicas de alta digestibilidade (acima de 90%) para que essa demanda seja suprida adequadamente.

Combinação de nutrientes

Estudos demonstraram que a nicotinamida, o ácido pantotênico e a histidina são capazes de aumentar significativamente a síntese lipídica na pele, além de contribuir com a redução da perda de água transepidérmica e fortalecer a barreira cutânea. A combinação de nicotinamida, ácido pantotênico, histidina, colina auxilia no aumento da síntese de ceramidas em cultura de queratinócitos.

Ácidos graxos

O ácido linoleico é um dos principais componentes das ceramidas, lipídio considerado o componente mais importante da barreira cutânea que compõe a pele. Por isso, acredita-se que este ácido graxo possua papel importante na função e integridade da barreira cutânea, além de ser o responsável pela beleza da pelagem. O efeito anti-inflamatório do Ômega 6 está relacionado à síntese do ácido dihomo-gama-linolênico (DGLA) a partir da ingestão de GLA. O DGLA, por sua vez, inibe a liberação de ácido araquidônico pela membrana celular e pode alterar o ciclo das lipoxigenases da série ímpar (de natureza mais inflamatória).

Vitaminas & Minerais

A vitamina E foi capaz de reduzir a produção e a liberação de mediadores inflamatórios em culturas mastocitárias, o que sugere que tal modulação também ocorra em cães atópicos e pode auxiliar no tratamento coadjuvante dos animais portadores dessa disfunção.

Por auxiliar o processo cicatricial e melhorar a função imune, o zinco e as vitaminas A e C devem ser fornecidas ao animal conforme suas necessidades nutricionais que variam de acordo com porte, necessidade específica e demanda racial.

Soluções Nutricionais

Alimentos coadjuvantes que possuem em sua formulação nutrientes que promovam a diminuição da inflamação e reforço da barreira cutânea trazem diversos benefícios para a minimização ou remissão dos sintomas das dermatopatias, contribuindo para a renovação celular e recuperação da pele lesionada, além de favorecer o crescimento e manutenção de uma pelagem forte e saudável.

Confira as principais dermatopatias presentes na clínica de gatos e cães e para as quais o alimento apresenta benefícios quando utilizado na terapia coadjuvante:

Reações alimentares

Os casos de reações adversas aos alimentos são beneficiados por uma nutrição adequada. A alergia alimentar é uma resposta imunológica ao alimento, onde há produção de anticorpos na presença de proteínas de alto peso molecular. Casos como estes são sanados com a utilização de tipos específicos de nutrientes: as proteínas hidrolisadas. Nesses casos, o objetivo é alimentar o paciente estritamente com fontes modificadas do alérgeno, porém manter uma dieta nutricionalmente completa e balanceada.

Proteínas de alto valor biológico são completamente digeridas e aminoácidos livres ou peptídeos que apresentam grau alergênico bastante diminuído. Assim, a utilização de alimentos de alta digestibilidade que contenham proteínas hidrolisadas como ingrediente é recomendada para esses pacientes. A dieta hipoalergênica deve ser mantida rigorosamente por um período de pelo menos 8 semanas e seguida pela exposição provocativa para que seja possível a confirmação do diagnóstico.

Dermatite atópica

A atopia ou dermatite atópica é uma dermatopatia de alta casuística na clínica de pequenos animais. Cães com dermatite atópica possuem uma camada lipídica cutânea anormal em seu estrato córneo que aumenta a exposição natural do organismo aos alérgenos e facilita a penetração deles pela pele, promovendo a produção de uma resposta inflamatória.

Alimentos formulados com ingredientes pouco alergênicos e com aporte extra de nutrientes que atuam na pele favorecem a integridade da barreira cutânea, diminuem a vulnerabilidade da pele a alérgenos e infecções secundárias e melhoram as manifestações clínicas de prurido e lesões cutâneas em gatos e cães acometidos pela doença.

Conheça o portfólio ROYAL CANIN® de soluções nutricionais exclusivas para o tratamento coadjuvante às principais dermatopatias de gatos e cães.

Saiba todos os detalhes na seção de produtos do Portal Vet