Mitos e verdades sobre o consumo de sódio e a alimentação de gatos e cães

Mitos e verdades sobre o consumo de sódio e a alimentação de gatos e cães
×

Links rápidos:

Afinal, quando o mineral pode representar algum risco para os animais? Saiba mais sobre o consumo de sódio e entenda o papel desse nutriente no organismo de gatos e cães!

O sódio é um dos nutrientes que mais gera dúvidas e preocupações entre tutores e Médicos-Veterinários, muitas delas originárias da relação que se estabeleceu entre esse mineral e algumas doenças crônicas de alta prevalência em seres humanos.

Sabe-se que a presença desse elemento na dieta ainda é rodeada por mitos. Mas, será que o consumo de sódio é prejudicial à saúde dos animais? Quais são os riscos gerados pelo excesso de sódio na alimentação de gatos e cães?

Para elucidar essas questões rotineiras, abordamos neste artigo informações baseadas em pesquisas científicas veterinárias globais, com o objetivo de explorar os principais mitos e verdades acerca do tema. Também apresentamos uma visão geral sobre o mineral e o que o consumo de sódio representa na dieta dos pets.

Características e particularidades do sódio

O sódio é um macromineral essencial nas dietas de gatos e cães e é o décimo elemento de maior abundância no organismo. Esse mineral é um elemento vital, já que participa de processos importantes para a homeostase, como regulação do equilíbrio ácido-básico e manutenção do volume extracelular (devido sua grande importância na regulação da pressão osmótica), além de exercer papel na manutenção do potencial elétrico e na geração e transmissão de impulsos nervosos. O consumo de sódio também é importante para a regulação do equilíbrio hídrico, da sensação de sede e da concentração de urina (Figura 1).

Na medicina humana, há uma associação entre excesso de sódio e doenças cardiovasculares de forma bastante frequente. Entretanto, na veterinária, a questão é um pouco diferente, uma vez que o metabolismo desse mineral em gatos e cães apresenta diferenças daquelas encontradas em seres humanos. Pesquisas científicas evidenciam que o cão pode comer sal, assim como o gato, desde que esteja presente na formulação do alimento de forma balanceada, pois os animais toleram teores mais altos de sódio em suas dietas, conforme veremos a seguir.

sodio
Figura 1: Funções desempenhadas pelo sódio (Na) no organismo.
Fonte: Grandjean, 2009.

Consumo de sódio: entenda a necessidade do mineral para os animais

De acordo com as diretrizes mais atuais do NRC (Nutrient Requirements of dogs and cats, National Research Council, 2006), os teores recomendados para consumo de sódio por animais de estimação podem ser verificados nos dados abaixo, onde é possível observar tanto a quantidade do mineral recomendado na dieta que é consumida pelo pet quanto a quantidade que é ingerida por kg de peso metabólico (dado mais preciso para avaliações individuais).

Cães

  • Quantidade por kg de matéria seca (MS)*: 800 mg
  • Quantidade por 1.000 kcal de energia metabolizável (EM): 200 mg
  • Quantidade por kg de peso metabólico (kg 0,75): 26,2 mg

Gatos

  • Quantidade por kg de matéria seca (MS)*: 680 mg
  • Quantidade por 1.000 kcal de energia metabolizável (EM): 100 mg
  • Quantidade por kg de peso metabólico (kg 0,67): 16,7 mg

* Considerando dieta de 4.000 kcal/kg.

Para ambas as espécies, o teor máximo de segurança é de 15 g de sódio por kg de alimento na matéria seca, o que representaria mais de 20 vezes a quantidade indicada na tabela apresentada acima. Isso reforça que esses animais são capazes de tolerar concentrações mais altas de sódio na dieta sem que haja prejuízo à saúde. É importante ressaltar também que sempre deve haver água limpa e fresca disponível.

De acordo com o FEDIAF – Nutritional Guidelines (2021), dados científicos mostram que níveis de sódio de até 3,75g/1000kcal são seguros para cães e gatos saudáveis. Além disso, no caso dos cães, o nível de até 0,19g/1000kcal é considerado saudável para os animais de todas as idades/fases da vida.

5 mitos e verdades sobre o consumo de sódio na dieta de cães e gatos

Selecionamos e explicamos abaixo algumas afirmações que frequentemente são ditas a respeito do consumo de sódio na dieta de gatos e cães. Saiba o que é mito e o que é verdade e tire suas dúvidas.

1. O sódio pode agravar o comprometimento da função renal

Mito!

Há uma alegação de que o consumo de sódio é prejudicial à saúde dos animais, pois os alimentos com níveis mais altos desse mineral podem agravar o comprometimento da função renal. Essa alegação não é apoiada pela literatura especializada atual, publicada em revistas de renome internacional. Diversos trabalhos científicos estudaram a associação entre a ingestão de sódio e a evolução da doença renal em gatos e cães e não encontraram correlação entre os dois fatores.

Além disso, de seis trabalhos científicos que analisaram a associação entre a ingestão de sódio (Na) e a evolução da doença renal em gatos e cães, cinco não conseguiram encontrar nenhuma correlação. Ainda de acordo com nefrologistas de renome mundial, os dados apresentados no trabalho que afirmou encontrar essa relação apresentaram poucas evidências científicas (BURANAKARL et al; 2004).

Leia também: O consumo de dietas com maior teor de sódio para gatos idosos saudáveis

2. O consumo de sódio na dieta pode ajudar na diluição urinária e no tratamento de doenças do trato urinário inferior

Verdade!

Estudos demonstraram que um teor de sódio na dieta entre 0,9 e 1,4%, com base em matéria seca:

  • aumenta o volume urinário em gatos e cães;
  • aumenta a quantidade de água ingerida pelo animal;
  • diminui a densidade urinária;
  • diminui a saturação da urina em gatos e cães;
  • reduz o risco de urolitíase.

Leia também: Problemas urinários são comuns em gatos: saiba mais

3. Teores superiores de sódio podem auxiliar na redução da formação de urólitos de oxalato de cálcio

Verdade!

Dietas formuladas com concentrações superiores de sódio, porém dentro do limite recomendado internacionalmente, podem minimizar a formação de urólitos de oxalato de cálcio. Isso porque, mais do que o sódio, outros fatores exercem maior influência na formação de urólitos, como saturação urinária, concentração de solutos e pH urinário.

Vale ressaltar que a ROYAL CANIN® utiliza a metodologia de supersaturação urinária (RSS) para avaliar a possibilidade de formação de urólitos.

Além disso, gatos alimentados com dietas pobres em sódio apresentaram um risco elevado de desenvolver urólitos de oxalato de cálcio.

4. O sódio promove excreção urinária de cálcio

Verdade!

A elevada quantidade de sódio na dieta aumenta a excreção urinária de cálcio em 24 horas. Contudo, como o sódio também promove a diurese, o resultado real é uma diminuição significativa na saturação da urina com oxalato de cálcio (supersaturação relativa) e, consequentemente, uma redução no risco de formação dos cristais de oxalato de cálcio.

Leia também: Os tipos de urólitos mais comuns em cães e gatos

5. O sódio provoca aumento da pressão arterial sistêmica em cães e gatos

Mito!

Estudos demonstram que, ao contrário do que frequentemente se acredita, o sódio não está relacionado ao aumento da pressão arterial em gatos e cães, diferente do que ocorre em seres humanos. Além disso, essas pesquisas também concluíram que:

  • o sódio não afeta a pressão arterial em gatos saudáveis;
  • o sódio na dieta não afeta a pressão arterial em cães submetidos à nefrectomia parcial;
  • a ingestão de sódio na dieta não exerceu efeito sobre a pressão arterial em gatos parcialmente nefrectomizados;
  • a baixa ingestão de sódio foi associada à ativação persistente do sistema renina-angiotensina-aldosterona, o que a longo prazo é prejudicial ao animal.

Leia também: Abordagem nutricional em animais cardiopatas: muito além do sódio

Principais conclusões sobre o consumo de sódio e a alimentação de gatos e cães

Além de detalhar todos esses mitos e verdades, é possível dizer que:

  • o sódio é um nutriente essencial para a homeostase e deve estar presente nos alimentos formulados para gatos e cães em todas as etapas de suas vidas;
  • frequentemente, tutores tendem a acreditar que o consumo de sódio presente no alimento é prejudicial à saúde do seu pet, e essa é uma interpretação equivocada conforme explorado nesse artigo;
  • alimentos completos e balanceados são formulados com todos os 45-50 nutrientes que gatos e cães necessitam diariamente para se manter saudáveis, em quantidades e proporções adequadas para cada indivíduo.

O sódio e a linha VETERINARY DIET URINARY da ROYAL CANIN®

A linha URINARY da ROYAL CANIN® contém ingredientes balanceados e que foram exaustivamente pesquisados até comporem uma solução nutricional que levasse bem-estar aos pets e pudesse auxiliar no manejo de doenças do trato urinário inferior de gatos e cães. São alimentos que se adequam ao consumo de sódio que se enquadra nos limites recomendados como seguros.

alimentos da linha Urinary

Conheça os detalhes dos alimentos da linha URINARY. Para garantir a melhor prescrição e recomendação nutricional para seus pacientes, use a ferramenta gratuita Calculadora para Prescrições da ROYAL CANIN®.

Referências bibliográficas

CHETBOUL, Valérie et al. Cardiovascular effects of dietary salt intake in aged healthy cats: a 2-year prospective randomized, blinded, and controlled study. PLOS One, v.9, n.6, p.1-10, 2014. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/24941013/. Acesso em: 05 dez. 2022.

BURANAKARL, Chollada et al. Effects of dietary sodium chloride intake on renal function and blood pressure in cats with normal and reduced renal function. Am J Vet Res, v.65, n.5, p.620-627, 2004. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/15141883/. Acesso em: 05 dez. 2022.

GRANDJEAN, D. et al. WALTHAM® livro de bolso sobre nutrição essencial para cães e gatos. Reino Unido, 2009.
COWGILL, L. D. et al. Effects of dietary salt intake on body fluid volume and renal function in healthy cats. J Vet Intern Med, v.21, n.3, p.600-601, 2007. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/296110122_Effects_of_dietary_salt_intake_on_body_fluid_volume_and_renal_function_in_healthy_cats. Acesso em: 05 dez. 2022.

HUGHES, K. L. et al. Diet and lifestyle variables as risk factors for chronic renal failure in pet cats. Preventive Veterinary Medicine, v.55, n.1, p.1-15, 2002. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/12324203/. Acesso em: 06 dez. 2022.
GRECO, D. S. et al. Effect of dietary sodium intake on glomerular filtration rate in partially nephrectomized dogs. Am J Vet Res, v.55, n.1, p.152-159, 1994. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/8141489/. Acesso em: 06 dez. 2022.
KIRK, A. Claudia et al. Effects of sodium chloride on selected parameters in cats. Veterinary Therapeutics, v.7, n.4, p.333-346, 2007. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/17216589/#:~:text=Cats%20eating%20the%20HSC%20food,fractional%20shortening%20during%20cardiac%20contraction. Acesso em: 06 dez. 2022.

LUCKSCHANDER, N. et al. Dietary NaCl does not affect blood pressure in healthy cats. J Vet Intern Med, v.18, n.4, p.463-467, 2004. Disponível em: https://sonar.ch/global/documents/1027. Acesso em: 05 dez. 2022.
Nutrient Requirements of Dogs and Cats. National Research Council, 2006. Disponível em: https://nap.nationalacademies.org/catalog/10668/nutrient-requirements-of-dogs-and-cats. Acesso em: 28 nov. 2022.
QUEAU, Yann et al. Increasing dietary sodium chloride promotes urine dilution and decreases struvite and calcium oxalate relative supersaturation in healthy dogs and cats. J Anim Physiol Anim Nutrition, v.104, n.5, p. 1524-1530, 2020. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32157751/. Acesso em: 06 dez. 2022.

REYNOLDS, B.S. et al. Effects of dietary salt intake on renal function: a 2-year study in healthy aged cats. J Vet Intern Med, v.27, n.3, p. 507-515, 2013. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/jvim.12074. Acesso em: 06 dez. 2022.

Nutritional Guidelines: For Complete and Complementary Pet Food for Cats and Dogs. Federação Europeia da Indústria de Alimentos para Animais de Estimação, 2021. Disponível em: https://europeanpetfood.org/wp-content/uploads/2022/03/Updated-Nutritional-Guidelines.pdf. Acesso em: 06 dez. 2022.