Proteinúria como fator prognóstico na Doença Renal Crônica

Proteinúria como fator prognóstico na Doença Renal Crônica

A presença de proteína na urina de gatos e cães nefropatas é preditiva para o prognóstico desta enfermidade; entenda mais neste artigo!

A Doença Renal Crônica (DRC) é uma condição morfofuncional progressiva e irreversível, de um ou ambos os rins, com evolução superior a 3 meses. Embora possa acometer indivíduos de qualquer idade, sua prevalência é diretamente proporcional à idade dos animais acometidos, sendo uma das causas mais importantes de mortalidade em gatos e cães geriátricos.

A evolução da DRC é autoperpetuante, silenciosa e pode ocorrer durante meses ou anos. Infelizmente, o diagnóstico é tardio na maior parte dos casos, mesmo porque a perda progressiva do tecido funcional faz com que os néfrons remanescentes sofram adaptações compensatórias (hipertrofia), o que lhes permite realizar as funções daqueles que já foram perdidos, comportando-se como “supernéfrons”.

Diante desse cenário, os check-ups periódicos e a conscientização do tutor acerca deste tema são de extrema importância para detectar precocemente o surgimento da doença e intervir para reduzir sua velocidade de progressão.

Proteinúria como consequência da DRC

A presença de proteína na urina é uma das consequências da perda de função renal. A redução da taxa de filtração glomerular em indivíduos acometidos pela doença ativa o sistema renina-angiotensina-aldosterona (SRAA) por meio da vasoconstrição da arteríola eferente e vasodilatação da arteríola aferente nos glomérulos remanescentes. A hipertensão glomerular leva à proteinúria e apenas parte dessa proteína é reabsorvida pelo epitélio tubular, sendo o restante eliminado na urina.

No entanto, este processo é extremamente lesivo para as células, gerando apoptose. Embora seja uma tentativa compensatória do organismo, a ativação persistente do SRAA é comprovadamente um importante fator de progressão da DRC.

Estadiamento e subestadiamento da DRC

A IRIS (International Renal Interest Society) estabeleceu o estadiamento da DRC para definir medidas de tratamento, monitoramento e prognóstico dos pacientes nefropatas. Os 4 estágios da doença são definidos pelas concentrações séricas de creatinina e SDMA (dimetil-arginina simétrica) do animal estável, hidratado e em jejum. Ambos devem ser interpretados em conjunto como ferramentas complementares, sendo a creatinina o principal indicador do estágio da doença.

Uma vez estadiado, o paciente é subestadiado de acordo com:

  • Hipertensão arterial sistêmica (HAS)
  • Relação proteína/creatinina urinária (UPC)

A pressão arterial sistêmica deve ser aferida em ambiente calmo, e geralmente são necessárias duas ou mais avaliações em momentos distintos. É considerado hipertenso o paciente que apresente HAS persistente ao longo de 3 aferições.

A avaliação da UPC é importante porque a proteinúria persistente é fator prognóstico negativo para a evolução da DRC e está diretamente associada a fatores como grau de comprometimento funcional, risco de crise urêmica, piora do estado geral do paciente e maior chance de óbito.

A classificação da proteinúria deve ser realizada de acordo com o quadro abaixo:

proteinúria

Clique aqui para fazer o download gratuito das Diretrizes da IRIS (2019)

Apresentação clínica

A anamnese e o exame físico dos animais em estágios mais avançados geralmente revelam baixo escore de condição corporal (ECC), desidratação, poliúria, polidipsia, sarcopenia, perda de qualidade da pelagem e sinais de uremia, como anorexia, halitose, letargia e fraqueza.

Abordagem terapêutica

Os objetivos da abordagem terapêutica clínica do paciente nefropata são:

  • Atenuar sinais clínicos da uremia;
  • Manter a hidratação e corrigir distúrbios eletrolíticos;
  • Diminuir a proteinúria;
  • Reduzir velocidade de progressão da doença;
  • Promover qualidade de vida;
  • Aumentar tempo de sobrevida.

A terapia deve ser personalizada para cada paciente com base em critérios clínicos e achados laboratoriais. Como a DRC é dinâmica, terapia multimodal e avaliações frequentes são necessárias. Além disso, ajustes no tratamento devem ser realizados de acordo com a resposta individual de cada animal.

Aspectos nutricionais

A abordagem nutricional coadjuvante com dieta personalizada e formulada especificamente para gatos e cães com DRC exerce papel-chave na atenuação das manifestações clínicas da doença, e a ciência fornece diversas evidências de que seu uso contribui para o aumento do tempo de sobrevida dos animais acometidos. Seus objetivos são:

  • Estimular o apetite devido a alta palatabilidade;
  • Garantir ingestão em quantidade adequada de calorias e de nutrientes;
  • Manter o peso saudável e a massa muscular;
  • Evitar desnutrição calórico-proteica;
  • Amenizar efeitos da uremia com o uso de proteínas de alta digestibilidade em quantidade adequada, que diminuem a produção de
    compostos nitrogenados;
  • Auxiliar na manutenção ácido-básica pelo uso de substâncias alcalinizantes.

Para conteúdos mais detalhados sobre a dieta personalizada para gatos e cães com DRC, leia:

Acesse também o webinar exclusivo sobre manejo nutricional no paciente nefropata, apresentado pelo Dr. Yann Queau, gerente do centro de pesquisas da ROYAL CANIN® global, localizado na França:

alimentos da linha Renal da Royal Canin

A ROYAL CANIN® foi pioneira no Brasil no lançamento de alimentos coadjuvantes às principais enfermidades clínicas de gatos e cães. Pesquisas minuciosas são realizadas para compreender o papel exato de cada nutriente na saúde animal. Em uma pesquisa recente realizada com mais de 500 médicos-veterinários no Brasil, mais de 97% dos entrevistados afirmaram prescrever alimentos coadjuvantes em suas rotinas de atendimento, e 57% deles afirmaram a ROYAL CANIN® como sua primeira escolha devido à qualidade e eficácia dos alimentos, além dos estudos científicos de alta credibilidade realizados pela empresa.

Nossa linha completa de soluções nutricionais para nefropatas inclui diferentes versões de alimentos secos e úmidos formuladas para estimular o apetite, driblar a aversão alimentar e minimizar os efeitos negativos das alterações metabólicas causadas pela doença renal. Nossas fórmulas contribuem para a manutenção da qualidade de vida e para o aumento do tempo de sobrevida de gatos e cães acometidos pela doença. Saiba mais sobre os alimentos ROYAL CANIN®!

Para facilitar a prescrição dos alimentos coadjuvantes para seus pacientes, acesse nossa Calculadora de Prescrição, ferramenta exclusiva para lhe promover praticidade e garantir a prescrição adequada dos alimentos.

Referências bibliográficas

BARRIO, M.A.D.; Doença Renal Crônica: Revisão Técnica. Boehringer Ingelheim. 2020.

HARLEY, L.; LANGSTON, C. Proteinuria in dogs and cats. Can Vet J, 2012.

International Renal Interest Society (IRIS). Disponível em:
<http://www.iris-kidney.com/guidelines/staging.html>. Acesso em 10/04/2021.

Pesquisa CVA Vets. CVA Solutions, 2021.

KUWAHARA, Y. et al. Use of urine albumin/creatinine ratio for estimation of proteinuria in cats and dogs. J Vet Med Sci, 2008.

ROSS, S. et al. Clinical evaluation of dietary modification for treatment of spontaneous chronic kidney disease in cats. J Am Vet Med Assoc. 2006.