Tudo sobre palatabilidade dos alimentos para gatos e cães e como lidar com as particularidades de cada espécie

Tudo sobre palatabilidade dos alimentos para gatos e cães e como lidar com as particularidades de cada espécie

Entenda os pontos-chaves para a palatabilidade dos alimentos e saiba o impacto disso para gatos e cães de diferentes portes e em diferentes fases da vida

Definida como uma característica multifatorial, a palatabilidade determina se o animal vai aceitar o alimento que lhe é oferecido e o quanto deste alimento ele irá consumir. Por muitos anos, cientistas em nutrição buscaram desvendar o real significado da palatabilidade do alimento para o animal, elucidando questões importantes que auxiliaram a ciência a desvendar equívocos frequentes no que diz respeito às preferências alimentares dos animais domésticos.

“Diversos fatores influenciam na atratividade do alimento para os pets. A palatabilidade é um ponto importante na alimentação de gatos e cães pois é um dos fatores que influencia se o alimento será consumido voluntariamente nas quantidades ideais”, explica Priscila Rizelo, médica-veterinária e Coordenadora de Comunicação Científica da ROYAL CANIN®.

A seguir, vamos conhecer quais são esses fatores.

Pontos-chave na palatabilidade do alimento

Os fatores envolvidos na palatabilidade são distribuídos em 3 pilares (Imagem 1):

Alimento

Dentre as características do próprio alimento, o aroma é a mais importante. Isso porque os animais apresentam olfato muito desenvolvido, como veremos adiante. Além disso, formato, textura, sabor, tamanho do croquete, facilidade de preensão, nutrientes presentes na fórmula, processo de produção e sensação pós-ingestão são fatores que também interferem na palatabilidade do alimento;

Animal

Alguns fatores inerentes ao indivíduo, como espécie, raça, características morfológicas, comportamento alimentar, preferências individuais e presença de patologias também afetam a experiência que este animal terá com o alimento ao qual está sendo exposto;

Ambiente

A condição do ambiente, como presença de outros animais, competição por alimento e fatores de estresse também são pontos importantes que podem interferir na ingestão de alimentos.

palatabilidade
Imagem 1: Fatores envolvidos na palatabilidade final do alimento. Fonte: ROYAL CANIN®.

Diferenças na percepção alimentar entre gatos e cães

Quando falamos em palatabilidade para gatos e cães, vamos muito além do sabor do alimento. Os pets possuem um número de células olfatórias muito superior aos humanos e isso lhes confere um olfato extremamente apurado (Imagem 2). Por isso, o sentido do olfato possui papel de extrema importância na seleção do alimento.

Por outro lado, quando comparamos as papilas gustativas, responsáveis pelo paladar, o número de papilas é muito superior em humanos, quando comparado a gatos e cães. Por isso o sabor é um fator de relevância secundária para os pets, e é menos importante do que o aroma. Isso nos ajuda a compreender por que os pets se adaptam a consumir o mesmo alimento diariamente, ao contrário de seres humanos, que possuem o paladar muito desenvolvido.

olfato-cheiro-sabor-paladar
Imagem 2: Diferenças nos sentidos entre cães, gatos e seres humanos.
Fonte: ROYAL CANIN®.

Particularidades de cães pequenos

Entre os pets também há diferenças. O cão é uma espécie caracterizada por agregar uma extensa variedade de portes e pesos, incluindo cães miniatura de 2 kg de peso, até animais gigantes com mais de 60 kg. Cães se diferenciam não apenas por suas características morfológicas, mas também por variações fisiológicas e metabólicas já cientificamente comprovadas, incluindo também as particularidades de algumas raças.

O apetite caprichoso, ou seja, a característica de ser naturalmente mais exigente no que se refere a palatabilidade do alimento, é uma das particularidades de cães de pequeno porte (até 10kg quando adultos) descritas na literatura.

Priscila explica: “Cães de porte pequeno ou miniatura possuem uma superfície olfativa menor, com menor número de células olfatórias quando comparamos aos cães de porte grande. Por isso apresentam menor capacidade olfativa e esse é o motivo de serem mais seletivos na escolha dos alimentos”.

Particularidades de gatos

Já os felinos apresentam paladar e olfato menos apurado em comparação com cães, inclusive quando comparamos com os cães pequenos.

Além disso, gatos são mais sensíveis a alimentos que ficam muito tempo expostos no comedouro, pois têm alta preferência por alimentos frescos. O ideal é oferecer sempre pequenas refeições (mesmo porque esses animais já apresentam como comportamento característico o fato de fazerem diversas pequenas refeições), pois assim garantimos que o alimento não sofra oxidação devido ao prolongado tempo de contato com o oxigênio.

Além disso, os gatos preferem alimento na temperatura ambiente/corporal, ou seja, caso o alimento (úmido, por exemplo) esteja conservado em geladeira, é recomendado aquecer antes de oferecer ao animal, pois além da temperatura, isso também irá estimular o apetite por meio do aroma liberado com o aquecimento.

Palatabilidade para animais idosos

Além de todos os fatores mencionados acima, cães idosos se beneficiam de alimentos desenvolvidos com a tecnologia de reidratação dos croquetes. Essa tecnologia permite que os croquetes do alimento seco sejam reidratados até adquirirem a textura de papinha, sem perda nutricional. “Essa textura facilita a preensão e mastigação pelos cães com dificuldade de mastigação e também aumenta a palatabilidade do alimento”, diz a especialista.

A palatabilidade é, portanto, uma característica do alimento que atrai o animal à ingestão. Garantir a alta palatabilidade do produto é fundamental para todos os animais e em todos os casos.

O alimento úmido é mais palatável?

Os pets no geral tendem a se sentir muito atraídos pelos alimentos úmidos. Entretanto, alguns animais podem não aceitar produtos com essa textura, principalmente gatos que não foram expostos a esse tipo de alimento quando eram jovens. Oferecer o alimento úmido desde cedo é desejado pois sua ingestão promove benefícios importantes para a saúde de gatos e cães.

Como conservar a palatabilidade dos alimentos

A forma ideal de conservação dos alimentos é dentro da embalagem original, que é desenvolvida com material específico cuja propriedade busca a melhor conservação possível do seu conteúdo.

“A embalagem com três camadas permite que o alimento fique melhor preservado e também há uma tecnologia chamada atmosfera controlada que faz com que o alimento fique melhor acondicionado”, explica Priscila.

Embalagens maiores, que muitas vezes acabam ficando abertas por mais tempo, devem ser bem fechadas e não devem ser abertas diariamente. Além disso, o alimento deve ser mantido em ambiente seco, ao abrigo da luz do sol e longe de produtos tóxicos.

Alimentos úmidos, se não forem consumidos em sua totalidade no momento em que forem abertos, podem ser mantidos por, no máximo, 2 dias em geladeira, desde que devidamente fechados.

Como a ROYAL CANIN® garante a alta palatabilidade de seus alimentos

As necessidades dos gatos e cães estão em primeiro lugar. “Buscamos entender seus comportamentos, quais sentidos utilizam para perceber as características dos alimentos, suas particularidades anatômicas e consideramos essas características para o desenvolvimento de alimentos altamente palatáveis”, explica a médica-veterinária.

Além disso, o perfil nutricional e o processamento da matéria-prima também tem relação com a palatabilidade e são levados em consideração na fabricação dos produtos.

“A ROYAL CANIN® possui em todo o seu portfólio para gatos e cães produtos com perfis nutricionais, texturas, aspecto e formatos que garantem a atratividade do alimento, satisfação no momento da ingestão alimentar, saúde e bem-estar”, ressalta a médica-veterinária.