Anallergenic: benefícios e indicações do novo alimento ROYAL CANIN®

Anallergenic: benefícios e indicações do novo alimento ROYAL CANIN®

Alimento exclusivo chega ao Brasil e traz solução inédita para apoiar o diagnóstico e o manejo das alergias alimentares em gatos e cães; confira a novidade!

A dermatite trofoalérgica, mais conhecida como hipersensibilidade alimentar (HA) ou apenas “alergia alimentar”, é uma reação adversa ao alimento que envolve uma resposta alérgica mediada pelo sistema imunológico do paciente. De acordo com um importante estudo epidemiológico publicado por Gaschen & Merchant (2011) e apresentado no Fórum Internacional da ROYAL CANIN® de 2021, a prevalência desta afecção na rotina clínica é menor do que 5% em gatos e cães, porém quando se considera a reação adversa induzida por alimentos em animais atópicos, este percentual sobe para cerca de 20 a 30%, o que representa alta casuística na clínica de pequenos animais.

Gatos e cães que apresentam esta condição frequentemente se beneficiam de dieta hipoalergênica, capaz de evitar a deflagração da resposta imunológica a moléculas (geralmente proteínas) de alto peso molecular. Entretanto, uma pequena parcela pode não ficar totalmente estabilizada e ainda apresentar exacerbações ocasionais.

Alinhada às necessidades encontradas na medicina veterinária, a ROYAL CANIN® reafirma seu compromisso de oferecer saúde por meio da máxima precisão nutricional de suas fórmulas e lança no Brasil o alimento Anallergenic na versão seca para gatos e cães adultos.

Esta nova solução nutricional é indicada para apoiar o diagnóstico das alergias alimentares e também como suporte em casos complexos e refratários de hipersensibilidade alimentar em animais que já foram submetidos às dietas hipoalergênicas clássicas.

Acompanhe os próximos tópicos para entender as principais indicações do novo alimento e as diferenças quando comparado a outros produtos da linha dermatológica.

O que é o alimento Anallergenic

novos alimentos da linha Anallergenic

A linha Anallergenic da ROYAL CANIN® chega para auxiliar no diagnóstico e também para oferecer suporte a gatos e cães com reações adversas ao alimento, como já citado. O novo alimento, tanto para cães quanto para gatos, conta com alguns difefrenciais:

  • Proteína extensamente hidrolisada: fonte de proteína com aminoácidos exclusivamente livres e oligopeptídeos de peso molecular muito baixo. Com isso, a chance de o animal apresentar reação adversa ao alimento é praticamente nula;
  • Fonte única de carboidrato: o carboidrato utilizado é o amido de milho purificado, o que também diminui as chances de reações adversas;
  • Complexo antioxidante: ajuda a reforçar a barreira cutânea, limitando a perda de água transepidérmica e combatendo os radicais livres;
  • Elevada digestibilidade: o que contribui para a máxima segurança digestiva.

Além disso, há um grande investimento tecnológico na produção do alimento para que não ocorra contaminação cruzada de proteína indesejada na formulação. A produção de Anallergenic tem como prioridade caracterização completa das matérias-primas utilizadas na fórmula, uso de equipamentos industriais adequados e rigorosos processos de limpeza e medidas analíticas adaptadas para validar cada etapa da produção.

O alimento Anallergenic está disponível em duas apresentações: Anallergenic Canine (embalagem de 4kg) e Anallergenic Feline (embalagem de 2,5kg).

Indicações do alimento Anallergenic

A maioria dos animais que apresentam alergia alimentar se mantêm estáveis e sem manifestações clínicas com o uso do alimento Hypoallergenic da ROYAL CANIN®. De fato, um estudo mostrou que 94% dos pets com alergia alimentar responderam bem ao uso do alimento Hypoallergenic. Alguns indivíduos, no entanto, são refratários ao tratamento ou podem apresentar melhora apenas parcial.

Nestes casos, o uso do alimento Anallergenic pode ser recomendado tanto para dieta de eliminação quanto para posterior manutenção dos pacientes cujo diagnóstico da HA tenha sido confirmado.

1. Diagnóstico de alergia alimentar em cães e gatos

Na suspeita da presença de reação adversa ao alimento de base imunológica, a dieta de eliminação deve ser instituída por um período de 3 a 8 semanas (podendo chegar até 12 semanas, dependendo da resposta individual de cada animal).

A dieta de exclusão consiste em oferecer ao paciente um alimento com ingredientes inéditos (aos quais o animal nunca foi exposto previamente) e/ou hidrolisados e posteriormente introduzir gradualmente os alimentos suspeitos de causar alergia, o que é conhecido como exposição provocativa. Cabe ressaltar, no entanto, que apenas o uso de ingredientes inéditos pode levar a interpretações equivocadas quanto a resposta do animal devido à possibilidade de contaminação cruzada, uma vez que o mesmo alérgeno pode estar presente em mais de uma fonte alimentar.

Desta forma, o alimento comercial extensamente hidrolisado, caso do Anallergenic, se apresenta como uma excelente ferramenta para a dieta de exclusão, auxiliando no diagnóstico da hipersensibilidade alimentar, pois além de reduzir os prováveis alérgenos a moléculas de baixo peso molecular, consiste em uma fórmula completa e balanceada que não irá predispor o animal a deficiências nutricionais quando utilizada em período prolongado.

Durante o período de teste, é de extrema importância orientar o tutor e todas as pessoas próximas ao animal para que não ofereçam qualquer outro tipo de alimento e/ou petiscos, pois até mesmo pequenas quantidades podem comprometer a assertividade do diagnóstico e a eficácia do tratamento.

2. Manejo do paciente com hipersensibilidade alimentar

A hipersensibilidade alimentar é confirmada quando há remissão das manifestações clínicas de alergia durante a dieta de eliminação e quando se observa a volta do quadro clínico durante o teste final de exposição provocativa. Neste caso, o animal passa a necessitar de alimento específico para toda a vida. São aqueles que apresentam quadros complexos e refratários.

Um estudo interno utilizando o alimento Anallergenic Canine demonstrou melhora significativa na condição da pele em 100% dos cães. Em um outro estudo interno, com o alimento Anallergenic Feline, foi observada a diminuição significativa na média do escore de lesões e prurido em gatos em apenas 2 semanas de uso do alimento.

Diferenças entre os alimentos Hypoallergenic e Anallergenic

Enquanto os alimentos Hypoallergenic da ROYAL CANIN® são fabricados com proteína hidrolisada de soja, a fonte de proteínas utilizada na fabricação da Anallergenic é o hidrolisado de penas proveniente de penas de aves (frango, pato e peru) criados na França. Trata-se de uma proteína extensamente hidrolisada, que apresenta aminoácidos exclusivamente livres e oligopeptídeos de peso molecular muito baixo. Tais características reduzem as chances de resposta alérgica a possibilidades quase nulas. De acordo com Olivry e colaboradores (2017), a hidrólise extensiva de proteínas é indispensável para evitar o reconhecimento de alérgenos alimentares mediado pelo sistema imunológico.

Diante disso, a recomendação para um teste de eliminação mais efetivo e com chances quase nulas de contaminação cruzada é o uso do novo alimento Anallergenic, justamente por conter proteína extensamente hidrolisada.

O Hypollargenic segue no manejo alimentar de animais que respondem bem a esse tipo de alimento, como citado anteriormente, enquanto o Anallergenic será a opção para aqueles animais com quadros complexos e refratários – cerca de 6% dos casos. Veja mais detalhes na árvore decisória abaixo que leva em conta um cão com caso de prurido intenso:

como fazer o manejo nutricional para as alterações dermatológicas em cães

Linha completa de produtos relacionados a dermatologia

Neste momento estão sendo lançados no Brasil os alimentos Anallergenic Canine e Anallergenic Feline na versão seca. A ROYAL CANIN® apresenta a linha de soluções nutricionais coadjuvantes mais completa do mercado veterinário e as demandas e necessidades levantadas em território nacional são constantemente monitoradas para que novos produtos possam ser disponibilizados em nosso portfólio.

A ROYAL CANIN® se dedica há mais de 50 anos a desenvolver soluções nutricionais de alta qualidade e precisão para o tratamento coadjuvante das principais enfermidades observadas na rotina clínica de gatos e cães. Nossas fórmulas são desenvolvidas em parceria com uma rede global de especialistas em nutrição animal ao redor do mundo.

O portfólio de alimentos da linha dermatológica inclui os produtos Hypoallergenic e Anallergenic, abordados neste texto, e também o produto Skin Care Adult Small Dog, indicado para cães adultos que apresentam dermatite atópica. A investigação clínica por etapas e a colaboração do tutor são de extrema importância para que o diagnóstico seja assertivo e o tratamento coadjuvante seja eficaz.

alimentos do portfólio dermatológico ROYAL CANIN

Saiba mais sobre nossos produtos e utilize nossa ferramenta gratuita Calculadora para Prescrições para facilitar a escolha do melhor alimento e para garantir o correto manejo nutricional para seus pacientes.

Referências bibliográficas

Bizikova P, Olivry T. A randomized, double-blinded crossover trial testing the benefit of two hydrolysed poultry-based commercial diets for dogs with spontaneous pruritic chicken allergy. Vet Dermatol. 2016 Aug;27(4):289-e70.

Gaschen, F.; Merchant, S. Adverse food reactions in dogs and cats. Vet Clin North Am Small Anim Pract, 2011.

Lesponne I et al. DNA and protein analyses to support the clinical reliability of Anallergenic, an extensively hydrolysed diet. ESVD-ECVD congress, sept.2017, Lausanne, Switzerland (abstract). DERMATOLOGY_issue tracking_2018- 2_Anallergenic, feather & brand image, vs canadian website “Au nom du chien”.

Mougeot I et al. Clinical efficacy of a highly hydrolyzed poultry feather protein-based diet for canine AFR diagnosis and dietary management: a 12 case pilot study. Waltham International Nutritional Science Symposium, 1-4 Oct 2013, Portland USA (abstract).

Olivry, T., Bexley, J. & Mougeot, I. Extensive protein hydrolyzation is indispensable to prevent IgE-mediated poultry allergen recognition in dogs and cats. BMC Vet Res 13, 251 (2017).