Antioxidantes naturais na alimentação de gatos e cães

Antioxidantes naturais na alimentação de gatos e cães

Os antioxidantes são responsáveis pela inibição e redução das lesões causadas pelos radicais livres nas células. Saiba mais.

O organismo sofre constantemente efeitos de espécies reativas de oxigênio, formadas como consequência natural da atividade metabólica e como parte da estratégia de atuação do sistema imunológico para destruir patógenos. Além disto, o corpo está exposto à ação constante de fontes exógenas e endógenas que levam a formação de radicais livres (Quadro 1). Com isso, a geração de radicais livres constitui, por excelência, um processo contínuo e fisiológico.

Quadro 1. Fontes endógenas e exógenas de geração de radicais livres.

Endógenas Exógenas
Respiração aeróbica Ozônio
Inflamações Radiações gama e ultravioleta
Peroxissomos Medicamentos
Enzimas do citocromo P450 Dieta
Cigarro

O sistema de defesa antioxidante tem a função de inibir e/ou reduzir os danos causados pela ação deletéria dos radicais livres ou das espécies reativas não-radicais. De forma geral, esse sistema é dividido em enzimático e não-enzimático.

  • Enzimático: constituído por enzimas como superóxido dismutase, catalase e glutationa peroxidase. Essas enzimas agem por mecanismo de prevenção, impedindo e/ou controlando a formação de radicais livres.
  • Não-enzimático: compostos antioxidantes de origem alimentar como vitaminas, minerais e compostos fenólicos.

Quando a produção de radicais livres supera a capacidade de ação dos antioxidantes ou quando há um desequilíbrio entre compostos oxidantes e antioxidantes, em favor da geração excessiva de radicais livres ou em detrimentos da velocidade de remoção deles, ocorre o estresse oxidativo. O estresse oxidativo é responsável por diversas condições como artrite, diabetes, catarata, disfunção cerebral, cardiopatias, processo de envelhecimento acelerado, neoplasias, doenças do sistema imune, inflamação múltiplas, entre outras.

A concentração sanguínea de antioxidantes é diretamente dependente de sua ingestão diária. Para neutralizar de maneira efetiva os radicais livres e ajudar na manutenção da saúde das células, o animal deve receber uma concentração diária de antioxidantes adequada a sua condição.

Antioxidantes na alimentação

Dentre os vários fatores que modulam o estresse oxidativo estão os nutricionais. A seguir veja os benefícios dos mais importantes antioxidantes naturais que podem e devem ser incluídos na alimentação de gatos e cães.

  1. Vitamina C

O ácido ascórbico é absorvido de forma rápida e eficiente e o consumo elevado leva ao aumento da concentração sérica e tecidual dessa vitamina. Os benefícios obtidos na utilização da vitamina C na alimentação de cães e gatos incluem o efeito protetor contra os danos causados pela exposição às radiações e medicamentos. A vitamina C funciona como um antioxidante dentro e fora da célula. Além disso, permite a regeneração da vitamina E. A sua suplementação dietética é conveniente em situações de estresse. Assim, um alimento rico em vitamina C aumenta a capacidade antioxidante e limita o risco de danos celulares.

  1. Vitamina E

É o principal antioxidante lipossolúvel presente em tecidos, nos quais sua principal função é o sequestro de radicais livres para prevenir a oxidação dos ácidos graxos polinsaturados das membranas celulares, grupos tióis de proteínas e ácidos nucléicosonde. A vitamina E também apresenta funções na modulação da síntese de prostaglandinas, regulação na síntese de proteína quinase e síntese da xantina oxidase, no entanto, a função antioxidante parece ser a principal. A falha na prevenção da oxidação pode resultar na perda da integridade da membrana e ruptura da célula. A quantidade de vitamina E exigida nos alimentos depende da taxa de produção de radicais livres pelo organismo, da composição de ácidos graxos polinsaturados na dieta e outros compostos dietéticos como o selênio, por exemplo, necessário para a síntese de glutationa peroxidase. Cães adultos suplementados com um complexo de antioxidantes, em dosagens quatro vezes superiores às recomendadas de vitamina E em alimentos para animais adultos (AAFCO, 2010), apresentaram elevação nas concentrações séricas de taurina e vitamina E, que foram associadas com menor dano sofrido ao DNA, melhora na resposta vacinal e melhor atividade antioxidante do plasma sanguíneo.

  1. Luteína

A luteína é um carotenoide natural antioxidante encontrado em plantas e microrganismos e possui ação antioxidante, protegendo a membrana das células contra danos oxidativos. Em cães, é absorvida pela dieta e incorporada por linfócitos. A suplementação nessa espécie resultou em aumento da resposta imune mediada por células e da imunidade humoral. Foi demonstrado efeito sinérgico positivo da luteína, beta-caroteno e vitamina E na resposta imune. Cada nutriente interage em diferentes partes do sistema imune, mostrando que a combinação possui efeito mais forte e efetivo do que a suplementação de apenas um ingrediente. A luteína na alimentação modula a resposta imune humoral e celular em gatos após quatro semanas de suplementação. Esse carotenoide também aumenta a resposta de anticorpos a vacina, eleva as populações de células T auxiliares e T citotóxicas e a expressão das moléculas do MHC de classe II. De forma resumida, podemos então dizer que a luteína neutraliza os radicais livres e protege as membranas lipídicas.

  1. Taurina

É um aminoácido encontrado em grande quantidade no meio intracelular. Essa substância está envolvida em diversas funções fisiológicas, incluindo detoxificação, osmorregulação, estabilização de membrana, modulação do cálcio, agonista neurotransmissor, antioxidante e imunomodulação. É encontrada em altas concentrações em tecidos expostos a elevados níveis de oxidantes, sugerindo seu papel atenuador no estresse oxidativo. Apesar de diversos relatos indicando seu efeito antioxidante, o mecanismo envolvido nessa ação ainda é desconhecido. Contudo, há a ampla aceitação pela comunidade científica global de que a taurina tem um papel importante no sistema imune como um antioxidante que protege as células, incluindo leucócitos, do estresse oxidativo. Portanto, essa função primária citoprotetora e moduladora da homeostase celular está envolvida no estresse oxidativo decorrente do processo inflamatório agudo ou crônico. Além de seu papel na contratilidade cardíaca, também possui propriedades antioxidantes, como aumentar o sinergismo entre as vitaminas E e C.

  1. Polifenóis de uva e chá verde

Entre os antioxidantes presentes nos vegetais, os mais ativos e frequentemente encontrados são os compostos fenólicos, tais como os flavonóides. As propriedades benéficas desses compostos podem ser atribuídas à sua capacidade de sequestrar os radicais. São compostos de baixo peso molecular que têm uma estrutura básica próxima à estrutura da vitamina E. Em plantas, desempenham várias funções enzimáticas e participam na pigmentação, no crescimento, na reprodução e na resistência a doenças. São antioxidantes poderosos especialmente eficazes em reduzir a ação dos radicais livres. Também são reconhecidos por providenciar muitos efeitos benéficos tais como: moduladores de funções celulares inflamatórias, antioxidantes. Os polifenóis da semente de uva e do chá verde são especialmente conhecidos por suas propriedades antioxidantes.

  1. Licopeno

O licopeno é um pigmento carotenóide sem a atividade pró-vitamina A e lipossolúvel que ajuda a proteger o DNA celular. Esse carotenoide parece apresentar ação protetora contra o câncer, sendo que os possíveis mecanismos de proteção são por intermédio do sequestro de radicais livres, modulação do metabolismo do carcinoma, inibição da proliferação celular, aumento da diferenciação celular via retinoides, estimulação da comunicação entre as células e aumento da resposta imune.

Antioxidantes utilizados nos alimentos Royal Canin

A utilização de agentes antioxidantes naturais representa uma abordagem eficiente na inibição de danos provocados pelo estresse oxidativo.  Dentre os principais antioxidantes utilizados na Royal Canin estão: vitamina C, vitamina E, luteína e taurina, através de uma combinação de nutrientes que atuam sinergicamente a fim de combater a ação deletéria dos radicais livres. De acordo com a necessidade do animal, esta combinação pode estar associada à presença de outros antioxidantes como licopeno e flavonóides.

Mais uma vez, os produtos Royal Canin trazem tecnologia, ciência e inovação associadas a fórmulas específicas que promovem saúde, bem-estar e longevidade a cães e gatos.

 

Referências bibliográficas

Ambrósio, C. L. B., Campos, F. A. C. S., Faro, Z. P. Carotenóides como alternativa contra a hipovitaminose A. Revista de Nutrição, Campinas, v. 19, n. 2, p. 233- 243, mar./abr. 2006.

Bianchi, M.L.P., Antunes, L.M.G. Radicais livres e os principais antioxidantes na dieta. Rev. Nutri. Campinas, 12(2): 123-30, 1999.

Chew, B. P., Park, J. S. Carotenoid action on the immune response. Journal of Nutrition, Bethesda, v. 134, n. 1, p. 257S-261S, jan. 2004.

Green, T.R., Fellman, J.H., Eicher, A.L., Pratt, K.L. Antioxidant role and subcellular localisation of hypotaurine and taurine in human neutrophils. Biochim Biophys Acta. 1991;1073:91–97. doi: 10.1016/0304-4165(91)90187-L.

Hughes, D. A. Effects of carotenoids on human immune function. Proceedings of the Nutrition Society, London, v. 58, n. 3, p. 713-718, ago. 1999.

Jeon, S.H., Lee, M.Y., Rahman, M.M., Kim, S.J., et al. The antioxidant, taurine reduced lipopolysaccharide (LPS)-induced generation of ROS, and activation of MAPKs and Bax in cultured pneumocytes. Pulm Pharmacol Ther. 2009;22:562–566. doi: 10.1016/j.pupt.2009.07.004.

Kim, H. W., Chew, B. P., Wong, T. S., Park, J. S., Weng, B. B., Byren, K. M., Haken, M. G., Reinhart, G. A. Modulation of humoral and cell-mediated immune responses by dietary lutein in cats. Veterinary Immunology and Immunopathology, Amsterdam, v. 73, n. 3-4, p. 331-341, mar. 2000a.

Kim, H. W., Chew, B. P., Wong, T. S., Park, J. S., Weng, B. B., Byren, K. M., Haken, M. G., Gregory, A. Dietary lutein stimulates immune response in the canine. Veterinary Immunology and Immunopathology, Amsterdam, v. 74, n. 3-4, p. 315-327, maio 2000b.

Kronfeld, D.S., Donoghue, S. A role for vitamin C in workstressed dogs, Proceedings ACVIM forum 1988: 537-538.

Massimino S., Kearns, R. J., Loos, K. M., Burr, J. Effects of age and dietary beta-carotene on immunological variables in dogs. Journal of Veterinary Internal Medicine, v. 17, n. 6, p. 835-842, nov./dez. 2003.

NATIONAL RESEARCH COUNCIL. Nutrient requirements of dogs and cats, 2006. The national academies press, Washington D.C.

Oliveira, M.W.S., Minotto, J.B., de Oliveira, M.R., et al. Scavenging and antioxidant potential of physiological taurine concetrations against different reactive oxygen/nitrogen species. Pharm Raports. 2010;62:185–193.

Stahl, W., Sies, H. Antioxidant activity of carotenoids. Molecular Aspects of Medicine, Oxford, v. 24, n. 6, p. 345-351, dez. 2003.

Skinner, N.D., Martin, D.J., Harpper, E.J. Effect of vitamin C supplement on plasma status in healthy adult cats. Faseb. J. 1999; 13:A892.

Schaffer, S.W., Azuma, J., Mozaffari, M. Role of antioxidant activity of taurine in diabetes. Can J Physiol Pharmacol. 2009;87:91–99. doi: 10.1139/Y08-110.

Tobergsen, A.C., Collins, A.R. Recovery of human lymphocytes from oxidative DNA damage; the apparent enhancement of DNA repair by carotenoids is probably simply an antioxidant effect. Eur. J. Nutr. 2000; 39: 80-85.

Wang, L., Na Zhao, Fang Zhang, Wang Yue, Liang M. Effect of taurine on leukocyte function. Eur J Pharmacol. 2009;616:275–280. doi: 10.1016/j.ejphar.2009.05.027.