Como os sintomas gastrointestinais podem estar relacionados com as alergias alimentares

Como os sintomas gastrointestinais podem estar relacionados com as alergias alimentares

Alergia alimentar é uma das principais causas de manifestações cutâneas na clínica de pequenos animais. Entenda neste artigo como esse processo acontece

Desde de 1920 há relatos de reações adversas em animais a um componente alimentar da dieta (geralmente proteína), e eles foram responsabilizados por uma variedade de manifestações clínicas envolvendo a pele e também o trato gastrointestinal (TGI). Alguns casos são enquadrados como alergia, que é o termo reservado às reações que envolvem resposta do sistema imunológico.

Além de suas funções essenciais relacionadas à digestão e absorção de nutrientes, o intestino desempenha importante papel imunológico. A mucosa intestinal é uma importante barreira de proteção do organismo, uma vez que está constantemente exposta a potenciais agentes agressores presentes no lúmen. O conceito de barreira intestinal consiste na integridade estrutural das camadas da mucosa representada por células epiteliais intactas e funcionais.

O muco contém componentes que atuam como inibidores de receptores de possíveis alérgenos alimentares, interferindo assim na fixação destes antígenos à superfície das microvilosidades. A associação direta da estrutura proteica e de fosfolipídeos da membrana celular intestinal e o reconhecimento de antígenos já foi demonstrada na literatura científica.

Problemas digestivos x problemas dermatológicos

A digestão completa das proteínas oriundas da dieta resulta em aminoácidos livres e pequenos peptídeos que são considerados antígenos fracos. Já uma digestão proteica incompleta pode induzir uma resposta alérgica devido aos antígenos residuais em proteínas que não foram adequadamente digeridas e que apresentam alto peso molecular. Estas proteínas são absorvidas nos enterócitos e apresentadas ao tecido linfóide localizado no intestino, de tal maneira que se desenvolva uma rápida e potente resposta imunológica contra essas substâncias que são consideradas estranhas e potencialmente nocivas ao organismo.

Em pacientes saudáveis, após absorção desses componentes alimentares ocorre atividade supressora dos linfócitos T, contribuindo para o que chamamos de tolerância oral. Em animais alérgicos, ocorre uma resposta imunológica exagerada na qual há aumento da produção de IgE, que estimula a degranulação de histamina pelos mastócitos e desencadeia o surgimento das manifestações clínicas cutâneas.

O alimento ingerido representa a maior carga de antígenos externos aos quais a mucosa intestinal está exposta. Animais que apresentam distúrbios gastrointestinais que comprometam a integridade da mucosa intestinal frequentemente apresentam maiores chances de desenvolver alergia, devido ao aumento da sua permeabilidade e exposição antigênica.

Os sinais das alergias gastrointestinais

A resposta alérgica frente a diferentes constituintes alimentares pode causar alterações em diversos sistemas orgânicos, todavia as manifestações cutâneas estão entre os principais sintomas clínicos apresentados pelo animal.

Dentre os sinais clínicos, podemos destacar:

  • prurido
  • alopecia
  • eritema
  • crostas
  • possíveis infecções bacterianas secundárias

Manifestações clínicas do trato gastrointestinal (TGI) como emese, diarreia e sensibilidade abdominal são relatados na literatura e também podem estar presentes.

Como a dieta adequada pode ajudar

A ROYAL CANIN® possui alimentos específicos indicados para o tratamento coadjuvante das alergias alimentares. Suas fórmulas contêm ingredientes de baixo potencial alergênico, como arroz e proteína hidrolisada de soja e arroz.

A hidrólise fragmenta as proteínas em pequenos polipeptídeos de baixo peso molecular, que não são reconhecidos pelo sistema imunológico, auxiliando no diagnóstico e tratamento dos animais acometidos por esta enfermidade. Aqui você encontra mais informações sobre os produtos Royal Canin®.

 

Referências bibliográficas

PRELAUD, P.; HARVEY, R. Nutritional Dermatoses and the contribution of dietetics in dermatology. In: PIBOT, P.; BIOURGE, V.; ELLIOT, D. Encyclopedia of Canine Clinical Nutrition. Royal Canin, 2006.

ROUDEBUSH, P.; GUILFORD, W.; JACKSON, H. Adverse Reactions to Food. Small Animal Clinical Nutrition. p.609-635, 2010.