Resistência insulínica, Neoplasias e DTUIF: principais comorbidades diretamente associadas à obesidade

Resistência insulínica, Neoplasias e DTUIF: principais comorbidades diretamente associadas à obesidade
×

Links rápidos:

O animal obeso pode apresentar diversas outras enfermidades, mas algumas merecem atenção especial devido à gravidade dos sinais e manifestações ocasionadas por cada uma delas

Em muitos casos, a obesidade é diagnosticada quando o pet visita a clínica veterinária devido a uma outra doença que se torna a queixa principal do tutor. De fato, o animal obeso normalmente apresenta uma ou algumas das enfermidades relacionadas à doença de base. Alterações articulares, doenças cardíacas e respiratórias, hiperlipidemia, pancreatite, dermatite, lipidose hepática, intolerância ao exercício, elevado risco anestésico e baixa e qualidade e expectativa de vida são frequentemente observados, associados ou não entre si, em gatos e cães com ECC ≥ 8/9.

Entretanto, algumas doenças ganham destaque devido à gravidade dos sinais e manifestações ocasionadas por cada uma delas, e esse é o tema central deste artigo.

Comorbidades associadas à obesidade

Resistência insulínica, neoplasias e DTUIF (doença do trato inferior de felinos) merecem atenção no que diz respeito a animais com quadro de obesidade. Veja mais detalhes:

Resistência insulínica

A resistência insulínica por ocorrer em animais com deposição excessiva de tecido adiposo O aumento da quantidade de ácidos graxos livres (AGLs) se contrapõe aos efeitos da insulina, aumentando a neoglicogênese e inibição da captação de glicose e oxigenação no tecido muscular. A resistência insulínica pode evoluir para a diabetes mellitus (DM) tipo II.

É importante relembrar que gatos apresentam maior potencial para desenvolver DM tipo II que cães, que possuem maior probabilidade de apresentarem DM tipo I. Como a DM tipo II é incomum em cães, a obesidade raramente leva a sinais clínicos de DM nessa espécie, porém, a resistência insulínica também é possível em cães obesos. Portanto, atenção especial deve ser dada aos gatos e cães com aumento de peso detectado no consultório. A busca pelo diagnóstico de DM tipo II deve ser realizada nesses pacientes e, posteriormente, a conduta terapêutica deve ser estipulada.

Neoplasias

A International Agency for Research of Cancer observou uma correlação significativa entre obesidade e câncer de mama em mulheres após a menopausa e também câncer de cólon/reto, rim e esôfago. Estima-se que, se essa relação for completamente casual, 1 em 7 mortes por câncer em homens e 1 em 5 em mulheres nos Estados Unidos pode ser o resultado direto da obesidade ou sobrepeso.

Alguns estudos em cães também já indicaram uma associação entre carcinoma mamário e obesidade. Cães com sobrepeso também foram relatados como tendo maior risco para apresentar carcinoma de células transicionais da bexiga.

Doença do trato urinário inferior em felinos (DTUIF)

A DTUIF é uma síndrome com elevada taxa de recorrência e que possui diversos fatores de risco. Pusoonthornthum e colaboradores (2012) relataram que gatos acima do peso ideal apresentaram quatro vezes mais chances de desenvolverem DTUIF que gatos dentro do peso. Uma das causas mais válidas é a de que gatos acima do peso ideal são mais sedentários e, portanto, tendem a beber menos água e ir menos vezes à liteira, predispondo à DTUIF.

Além disso, a obesidade pode ocasionar aumento de gordura na região peri peniana e ao redor da uretra. Esse acúmulo resulta em compressão uretral e consequente disfunção urinária. Alguns estudos também correlacionaram gatos com compulsão alimentar por estresse e a associação desses fatores com DTUIF.

Para auxiliar na prevenção de enfermidades tão recorrentes na clínica, o Médico-Veterinário deve dar uma atenção redobrada aos casos de aumento de peso corporal. Prevenir a obesidade significa evitar que essas e outras enfermidades ocorram na grande maioria dos casos. Contudo, nem sempre o pet chega ao consultório com o peso ideal. Então, nesses casos, o tratamento para perda de peso e a posterior manutenção do peso ideal são condutas importantes a serem tomadas pelo médico-veterinário. Para isso, as estratégias nutricionais são de grande valia.

A ROYAL CANIN® produz alimentos coadjuvantes ao tratamento de gatos e cães com ECC ≥ 6/9 ou para a manutenção do peso ideal, nas versões secas e úmidas. Aqui você encontra mais informações sobre os produtos Royal Canin®.

Referências bibliográficas

Calle, E.E. Thun MJ Obesity and cancer. Oncogene. 2004;23:6365–78.

Glickman, L.T., Schofer, F.S., McKee, L.J., Reif, J.S., Goldschmidt, M.H. Epidemiologic study of insecticide exposure, obesity, risk of bladder cancer in household dogs. J Toxicol Environ Health. 1989;28:407–14.

Perez Alenza, M.D., Pena, L., del Castillo, N., Nieto, A.I. Factors influencing the incidence and prognosis of canine mammary tumours. J Small Anim Pract. 2000;41:287–91.

Perez Alenza, M.D., Rutteman, G.R., Pena, L., Beynen, A.C., Cuesta, P. Relation between habitual diet and canine mammary tumors in a case-control study. J Vet Intern Med. 1998;12:132–9.

Piyarungsri, K., et al. Prevalence and risk factors of feline lower urinary tract disease in Chiang Mai, Thailand. Sci Rep. 2020; 10: 196.

Pusoonthornthum, R., Pusoonthornthum, P., Osborne CA. Risk Factors for Feline Lower Urinary Tract Diseases in Thailand. Thai J. Vet. Med. 2012;42:517–522.

Sonnenschein, E.G., Glickman, L.T., Goldschmidt, M,H., McKee, L.J. Body conformation, diet, and risk of breast cancer in pet dogs: a case-control study. Am J Epidemiol. 1991;133:694–703.

Spencer, E., Key, T. Obesity and cancers of the endometrium and breast. Prog. Obes Res. 2003;9:668–71.