Qualidade de vida do pet idoso e o papel do médico-veterinário

Qualidade de vida do pet idoso e o papel do médico-veterinário

Condutas importantes e de fácil aplicação melhoram, significativamente, a qualidade de vida de animais idosos.

Cada vez mais o elo entre tutores e seus animais de companhia se torna mais forte e importante para o bem-estar de ambos. Conferir qualidade de vida para cães e gatos idosos passou de um desejo compartilhado entre o tutor e o Médico-Veterinário para uma missão completamente tangível.

Processo de envelhecimento

O processo de envelhecimento é fisiológico porém, apesar disso, pode acarretar alterações metabólicas imperceptíveis ao tutor. Assim, o papel do Médico-Veterinário quanto à medicina preventiva torna-se fundamental. A ação antecipada do Médico-Veterinário em agendar avaliações recorrentes em cães e gatos a partir da primeira fase de envelhecimento permite a detecção precoce de uma enfermidade, a prescrição de um tratamento mais bem-sucedido e, consequentemente, um melhor prognóstico com aumento na qualidade de vida do animal.

Como abordar a qualidade de vida

Melhorar a qualidade de vida do animal idoso pode ser desafiador em ambos os aspectos: saúde e manejo. Como descrito acima, a atuação próxima do Médico-Veterinário na busca do diagnóstico precoce de doenças insidiosas é uma estratégia importante para manutenção da gerar saúde. Porém, a qualidade de vida é muito mais do que a saúde física, ela também se refere aos “sentimentos” do animal, que podem ser amplamente classificados como agradáveis ou desagradáveis. Nutrição, ambiente ou tratamento inadequado podem levar a sentimentos de fome, desconforto, abandono e dor, o que facilmente determinamos como “desagradáveis”. Por outro lado, a prática de exercícios físicos, uma alimentação de alta qualidade e interações humano-animal podem levar a experiências agradáveis. Assim, ao associar check ups frequentes às medidas práticas que agradam o animal conseguimos chegar a uma melhor qualidade de vida para cães e gatos idosos. A seguir, vamos discutir um pouco mais sobre algumas dessas medidas.

  1. Alimentação de elevada qualidade adequada à idade

Os alimentos para animais idosos visam auxiliar a prevenção de problemas relacionados ao ganho ou perda de peso, alterações bucais, de pele e pelagem, além de doenças cardíacas e do trato urinário superior e inferior. Assim, uma avaliação nutricional prévia seguida da prescrição de um alimento completo e balanceado para a espécie, raça e idade associados ao acompanhamento médico-veterinário são de grande importância na qualidade de vida do animal, principalmente a partir da primeira fase do envelhecimento.

  1. Enriquecimento ambiental

A identificação do ambiente doméstico deve ser considerada, uma vez que auxilia o Médico-Veterinário a obter uma imagem precisa do cotidiano do animal. Os tutores podem estar familiarizados demais com o ambiente doméstico, por isso podem deixar de ver itens ou situações que podem estar causando monotonia. Por exemplo, uma superfície escorregadia ou escadaria pode dificultar o momento lúdico entre tutor e animal. Gatos gostam de explorar ambientes a partir de prateleiras colocadas no alto. Essa simples atitude enriquece o ambiente para os felinos. Adaptar os fatores ambientais às necessidades do animal traz uma diferença significativa na qualidade de vida.

  1. Facilitar a mobilidade

Com o passar do tempo é comum o surgimento de alterações músculo-esqueléticas, dentre elas a osteoartrite (OA). Apesar dessa enfermidade ocasionar, na maior parte dos casos, claudicação decorrente da dor articular, os tutores interpretam essa “manqueira” ou “desaceleração” de movimento como um resultado do declínio de energia relacionado à idade. Embora existam condutas terapêuticas que beneficiam cães e gatos com OA e levam à melhora da qualidade de vida, alterações ambientais simples, como colocar um colchonete confortável e macio, minimizam o estresse articular e, portanto, podem facilitar a mobilidade. Para gatos, tornar as áreas de descanso acessíveis por meio de plataformas ou rampas são ótimas estratégias ambientais para garantir que eles continuem desfrutando os seus locais favoritos.

  1. Atividade física

Exercícios regulares e controlados são benéficos para todos os animais idosos. Ideias motivadoras como interações positivas entre tutor, animal e ambiente serão de grande auxílio. Por exemplo, sugira que o tutor altere o ambiente a explorar durante as caminhadas e associe essa atividade com sessões suaves de jogos de “puxar e largar” no lugar de buscar objetos. Incentivar a atividade física em gatos é possível e também muito prazerosa para esses animais, mesmo em idade avançada. Brinquedos retangulares ou cilíndricos, podem ser úteis no incentivo ao exercício. As atividades supervisionadas com esses brinquedos podem fornecer um exercício valioso para os membros posteriores, além de estimularem as funções cognitivas desses animais e auxiliarem no controle do peso.

  1. Estímulo mental

Assim como em seres humanos, para a manutenção das funções cognitivas de cães e gatos o ambiente deve ser motivador e desafiador. Mais uma vez o enriquecimento ambiental deve focar em interações positivas, reforçando o vínculo humano-animal. Assim, interações como escovação diária dos pelos, técnicas simples de massagem, contato direto com demonstração de afeto, jogos de baixa intensidade com brinquedos que permitam a descoberta do alimento e outras variadas oportunidades de exploração do ambiente podem ajudar cães e gatos idosos a permanecerem alertas, ativos e saudáveis.

  1. Manejo hídrico

Animais idosos são mais susceptíveis à desidratação devido à diminuição da resposta à sede. Os tutores devem ser advertidos quanto a garantirem o fornecimento de água fresca e limpa durante todo o dia.

Quando falamos dos desafios frente à saúde e manejo de gatos e cães idosos e seus tutores para melhorar a qualidade de vida do animal é fundamental relembrarmos o importante papel do Médico-Veterinário nessa cadeia. Além das consultas e investigações clínicas frequentes, a fim de detectar e tratar precocemente enfermidades ligadas ao processo de envelhecimento, esse profissional também deve prescrever um alimento de alta qualidade para animais idosos e alertar o tutor quanto às importantes medidas ambientais e de rotina a serem realizadas partir de então. Essa parceria tem por principal finalidade o bem-estar animal e a garantia de um processo de envelhecimento saudável com alta qualidade de vida.

 

Referências bibliográficas

Landsberg, G.M., Nichol, J. e Araujo, J.A. Cognitive dysfunction syndrome: a disease of canine and feline brain ageing, Veterinary Clinics of North America: Small Animal Practice 42(4): 749-768, 2012.

Wolf, A.M. Senior cats – age related changes affecting management and Proceedings of the North American Veterinary Community Conference, New York, 2006.

Yeates, J. e Main, D. Assessment of companion animal quality of life in veterinary practice and research, Journal of Small Animal Practice 50(6): 274-281, 2009.