Torção gástrica em cães: tudo sobre a síndrome da dilatação vólvulo-gástrica (DVG)

Torção gástrica em cães: tudo sobre a síndrome da dilatação vólvulo-gástrica (DVG)
×

Links rápidos:

Conheça os principais pontos-chave dessa grave enfermidade do trato gastrointestinal que acomete principalmente os cães de grande porte

O processo digestivo dos cães começa ainda na cavidade oral, onde ocorre a digestão mecânica através da mastigação e a posterior digestão química através da produção de enzimas nas demais estruturas do trato gastrointestinal, onde irão acontecer as demais etapas do processo digestivo.

Dentre as principais funções do estômago estão o armazenamento temporário de alimentos e a produção de muco/suco gástrico para que ocorra o processo digestivo ao longo de todo o trato gastrointestinal.

Esse órgão é composto por estruturas denominadas de cárdia, fundo, corpo e piloro. Possui duas curvaturas, sendo uma menor e a outra maior, e também possui as faces parietal e visceral. O tempo de esvaziamento gástrico do cão pode variar entre 72 a 240 minutos, de acordo com as características do alimento ingerido e dieta (consistência, temperatura, tamanho das partículas, entre outros), além de outros fatores, como a condição de saúde do paciente (PEREIRA e FANTE, 2019).

A síndrome da dilatação vovulo-gástrica (DVG), também conhecida como torção gástrica, é uma importante afecção que afeta o trato gastrointestinal dos cães, principalmente de raças grandes e gigantes. Também pode ocorrer em cães de raças pequenas e gatos, mas é considerada rara nesses casos (SALAS, 2021).

A enfermidade é grave, caracterizando quadro emergencial e que requer rápido diagnóstico e tratamento, visto que possui elevada taxa de mortalidade (JUNIOR et al, 2021).

Neste artigo, iremos abordar os principais fatores, os sinais clínicos e as formas de manejo do paciente acometido.

O que é a torção gástrica?

O quadro acontece, geralmente, após a ingestão de grandes quantidades de alimentos, seguido ou não de períodos prolongados de jejum, aerofagia, fermentação e alterações de motilidade. Dessa forma, ocorre o acúmulo de conteúdo na câmara gástrica, que pode ser líquido, gasoso ou sólido, e resultando na dilatação significativa do estômago. O quadro é associado a uma rotação no eixo mesentérico, ou seja, ocorre a rotação anormal do estômago em seu próprio eixo. Geralmente, a rotação ocorre em sentido horário (PEREIRA e FANTE, 2019).

Portanto, a dilatação estomacal e o mau posicionamento do órgão gera um volvo parcial que resulta na compressão sobre o duodeno e o piloro, impedindo o esvaziamento gástrico e podendo gerar a torção completa do órgão. (DIAS et al, 2020).

As bases de referências usadas para mensurar o grau de rotação são o cárdia e piloro. Geralmente, o desvio do eixo longitudinal enquadra-se entre 270 e 360 graus. Quando a rotação estiver inferior a 180 graus, indica torção gástrica e, quando superior, caracteriza-se o volvo (DIAS et al, 2020).

De forma rara, a rotação pode ocorrer no sentido anti-horário, com no máximo a 90 graus de rotação (PEREIRA e FANTE, 2019).

Predisposição racial e fatores predisponentes da torção gástrica em cães

A síndrome da dilatação vólvulo-gástrica em cães possui etiologia multifatorial (PEREIRA e FANTE, 2019). A causa subjacente da torção gástrica canina ainda não foi totalmente esclarecida, mas sabe-se que existem fatores que podem estar associados ao surgimento da patologia.

Não há predisposição relacionada ao gênero do animal, mas sabe-se que pode ocorrer predisposição hereditária, principalmente quando a relação for de primeiro grau, como no caso de irmãos ou filhos (SALAS, 2021).

Raças

Certas raças, como as de porte grande e gigante ou cães que possuam peito profundo (com maior volume interno na cavidade torácica devido às características anatômicas da raça), apresentam maior predisposição. Dentre elas, podemos citar (SALAS, 2021):

  • Pastor Alemão;
  • Dogue Alemão;
  • Poodle Gigante;
  • Labrador;
  • Akita;
  • Golden Retriever;
  • São Bernardo;
  • Doberman;
  • Chow Chow;
  • cães sem raça definida de grande porte;
  • outras.

Idade

Em relação à idade, a dilatação gástrica em cães já foi observada tanto em em animais com menos de 1 ano como em cães acima dos 14 anos de idade. Mas, conforme os cães de porte grande e gigante envelhecem, observa-se um risco mais elevado para o desenvolvimento da enfermidade (SALAS, 2021).

  • Raças grandes: risco elevado após os 3 anos de idade.
  • Raças gigantes: risco levado antes dos 3 anos de idade.

Outros fatores

Existem também outros fatores associados ao surgimento de torção gástrica, como (PEREIRA e FANTE, 2019):

  • consumo de alimento que favoreça o acúmulo de gás;
  • comedouros em posição muito elevada;
  • ingestão súbita de grande volume de alimento;
  • frouxidão dos ligamentos hepatoduodenal e hepatogástrico;
  • exercícios físicos intensos após a ingestão alimentar;
  • conformação corporal em relação à profundidade torácica;
  • questões comportamentais (animais agitados, estressados, ansiosos, nervosos, medrosos e com problemas comportamentais);
  • situações de estresse (viagem de carro, mudança de casa ou contato com locais e pessoas desconhecidas).

Sinais clínicos da torção gástrica canina

Geralmente, os sinais clínicos são inespecíficos e o início dessas manifestações é agudo, mas elas variam conforme a severidade e duração do episódio, podendo incluir (SALAS, 2021):

  • desconforto e dor à palpação abdominal;
  • inquietação;
  • estado comatoso ou depressão;
  • distensão abdominal progressiva;
  • abdômen timpânico e dilatado;
  • sialorréia;
  • vômitos;
  • postura arqueada;
  • membranas mucosas congestivas ou pálida;
  • taquicardia;
  • arritmias cardíacas;
  • pulso periférico fraco;
  • dispneia;
  • taquipnéia;
  • fraqueza;
  • tempo de preenchimento capilar (TPC) aumentado;
  • febre (geralmente em casos mais graves).

A torção gástrica causa a compressão das veias porta e cava, reduzindo o débito cardíaco e a pressão arterial do animal acometido, podendo resultar em choque hipovolêmico (PEREIRA e FANTE, 2019).

Diagnóstico

O diagnóstico é composto pelo conjunto entre anamnese, manifestações clínicas, exame físico e exame radiográfico da região do abdômen, que por sua vez é capaz de fechar o diagnóstico da torção gástrica em cães.

No exame radiológico será possível identificar uma linha de compartimentalização (com aparência mais radiopaca), e esse é um sinal característico de torção gástrica. Geralmente, ocorre o deslocamento do piloro dorsalmente à esquerda e também pode haver esplenomegalia.

A palpação abdominal pode ser de difícil percepção para o Médico-Veterinário em animais obesos, muito musculosos ou de raças muito grandes. Porém, mesmo com a realização bem-sucedida do exame físico, a realização do exame radiológico se faz essencial para o diagnóstico definitivo.

O exame radiográfico deve ser realizado sempre com mais de uma projeção, nesse caso dando preferência para as posições látero-lateral e ventrodorsal (PEREIRA e FANTE, 2019).

O Médico-Veterinário também pode solicitar exames laboratoriais, por exemplo bioquímico, hemograma, parâmetros de coagulação e outros, dependendo de cada caso. Porém, eles não possuem finalidade diagnóstica para os casos de torção gástrica e apenas irão trazer outras informações sobre o estado geral de saúde do pet. Também podem auxiliar a avaliação pré-cirúrgica (PEREIRA e FANTE, 2019).

Tratamento de torção gástrica em cães

Inicialmente é necessário estabilizar o paciente contra o choque resultante da torção gástrica. A primeira medida terapêutica emergencial é a descompressão gástrica, que pode ser realizada por meio da gastrocentese ou da sondagem orogástrica, visando a eliminação dos gases de forma gradual (PEREIRA e FANTE, 2019).

Para a estabilização do paciente, após a avaliação individual do caso realizada pelo profissional durante o atendimento, o protocolo também poderá incluir (PEREIRA e FANTE, 2019):

  • fluidoterapia: com isotônicos e solução salina hipertônica a 7% intravenoso para aumentar o volume circulante;
  • corticosteróides: visando estabilizar as membranas lisossômicas e a endotoxemia;
  • antibióticos de amplo espectro: amoxicilina com clavulanato de potássio ou associação de metronidazol com cefalexina ou enrofloxacino, caso haja necessidade e de acordo com a avaliação do Médico-Veterinário;
  • lidocaína: pode ser usada em casos de arritmias devido à taquicardia ventricular.

Após a estabilização do paciente, o tratamento cirúrgico geralmente é recomendado pelo Médico-Veterinário para tratar as complicações da afecção. Durante o procedimento é realizada a inspeção de órgãos como o baço e parede gástrica para possível necessidade de ressecção de prováveis tecidos necróticos e danificados, a correção do posicionamento estomacal e, para evitar recidivas, a gastropexia é indicada para a fixação do estômago na parede abdominal (PEREIRA e FANTE, 2019).

Formas de prevenção e recomendações aos tutores

As principais medidas preventivas incluem:

  • evitar exercícios físicos intensos após a alimentação para prevenir a aerofagia;
  • evitar situações de estresse, principalmente durante ou após a ingestão de alimentos;
  • adequação do posicionamento de comedouro e bebedouro, seguindo as recomendações do Médico-Veterinário para cada animal (devendo ser adaptados não somente de acordo com o tamanho do cão, mas seguindo as demais condições de saúde do indivíduo);
  • manejo nutricional: o tutor não deve fornecer ao animal nenhum alimento que não tenha sido recomendado pelo Médico-Veterinário. O alimento correto deve ser fracionado em porções recomendadas de forma adequada para cada animal.

Além disso, o animal acometido não deve ser usado para fins reprodutivos, pois os filhotes podem ser predispostos.

Atenção à alimentação

A nutrição é relatada como um dos principais fatores predisponentes ao desenvolvimento da torção gástrica em cães, devido a (SALAS, 2021):

  • ingestão rápida e de grande volume de alimentos;
  • fornecimento de alimento apenas 1 vez ao dia ao pet;
  • posição/elevação do comedouro;
  • ingestão de alimentos secos com alto teor de gorduras e óleos.

Portanto, o manejo alimentar correto é primordial para prevenir o surgimento da síndrome e deve ser ajustado de acordo com as necessidades de cada paciente, como forma de prevenção. Nos casos de animais acometidos, o manejo alimentar deve ser corrigido após o tratamento.

linha de alimentos para cães saudáveis

Conheça todas as opções de alimentos para cães saudáveis acessando o portfólio da Royal Canin®.

Utilize a ferramenta gratuita Calculadora para Prescrições para auxiliar na recomendação nutricional dos seus pacientes.

Referências bibliográficas

DIAS, Tiago Trindade et al. Abordagem cirúrgica da síndrome da dilatação volvo gástrica em um cão: relato de caso. Pubvet, v. 14, n. 10, p. 1-5, 2020. Disponível em: https://www.pubvet.com.br/artigo/7013/abordagem-ciruacutergica-da-siacutendrome-da-dilataccedilatildeo-volvo-gaacutestrica-em-um-catildeo-relato-de-caso#:~:text=to%20WhatsApp%20WhatsApp-,Abordagem%20cir%C3%BArgica%20da%20s%C3%ADndrome%20da%20dilata%C3%A7%C3%A3o%20volvo,um%20c%C3%A3o%3A%20Relato%20de%20caso&text=A%20dilata%C3%A7%C3%A3o%20v%C3%B3lvulo%20g%C3%A1strica%20se,est%C3%B4mago%20sobre%20seu%20eixo%20mesent%C3%A9rico. Acesso em: 02 set. 2022.

PEREIRA, Mirele; FANTE, Thamiris Pechutti. Síndrome da dilatação vólvulo-gástrica em cães – revisão de literatura. FAEF, Revista Cientifica de Medicina Veterinária, n. 33, p. 1-15, 2019. Disponível em: http://faef.revista.inf.br/imagens_arquivos/arquivos_destaque/M1ePpPQeoi585p3_2019-10-21-9-22-10.pdf. Acesso em: 02 set. 2022.

JUNIOR, Edson Placido et al. Dilatação e vólvulo gástrico em cães – revisão de literatura. SEVEPE, p. 1-5, 2021. Disponível em: https://www.fgp.edu.br/wp-content/uploads/2021/12/ARTIGO-1a-SEVEPE-2021-DILATACAO-E-VOLVULO-GASTRICO-EM-CAES.pdf. Acesso em: 04 set. 2022.

SALAS, Carolina da Costa. Síndrome de dilatação/torção gástrica em cães: descrição de 5 casos clínicos. 2021, p. 1-57. Dissertação – Mestrado em Medicina Veterinária – Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologia, Lisboa, 2021. Disponível em: https://recil.ensinolusofona.pt/handle/10437/12786. Acesso em: 04 set. 2022.