Benefícios do mix feeding para gatos

Benefícios do mix feeding para gatos

Oferecer alimentos úmidos e secos (mix feeding) para gatos apresenta diversas vantagens; veja por que apostar nesse tipo de alimentação

Os gatos são de fato animais muito diferenciados e não devem – nunca – ser confundidos com cães pequenos. Que essas espécies são diferentes entre si é algo bastante notório, e as particularidades vão desde as atitudes sociais e comportamentais até a ocorrência de sensibilidades e reações orgânicas a fármacos específicos.

O padrão alimentar e as necessidades nutricionais dos felídeos são também distintos. Por esta razão o estudo da nutrição dos gatos domésticos é de suma importância e é considerado uma das razões para o aumento da expectativa de vida desses animais.

Diversos estudos sobre nutrição abordam a questão do mix feeding, considerada uma boa prática para gatos. O termo o qual os atuais estudiosos comumente se referem diz respeito à alimentação onde se combina o alimento seco (dry) com o úmido (wet) na rotina de alimentação. Os dois alimentos podem ser oferecidos no mesmo comedouro ou em comedouros separados, como costuma ser mais bem aceito pelos gatos.

Trata-se de uma experiência sensorial. A combinação dos dois tipos de alimentos confere diversas vantagens, uma vez que une os benefícios de cada um.

Características do alimento seco

De acordo com processo tecnológico ao qual é submetido, o alimento é considerado seco quando passa pelo processo de extrusão (o mais utilizado, mas existem outras tecnologias) e, após essa etapa de cozimento, é direcionado ao processo de secagem, onde é retirado o excesso de umidade. A umidade máxima para alimentos secos é, usualmente, 12%.

Com aproximadamente 88% de matéria seca, o alimento seco permite maior concentração de nutrientes. Além disso, o atrito mecânico provocado pela penetração dos dentes no croquete ajuda a limitar a formação de cálculo dental e, no caso dos gatos, tem o benefício de ser fracionado em várias refeições ao dia e pode ficar disponível no comedouro por um tempo mais longo, com menor risco de degradação.

Características do alimento úmido

Muitos gatos não aceitam o alimento úmido pelo simples fato de não terem sido expostos a esse tipo de alimentação na fase de socialização. Os hábitos do filhote são adquiridos principalmente quando muito jovens, e recomenda-se que até os 4 meses de vida o gatinho seja exposto às diversas situações, pessoas, animais e, também, aos diversos tipos de alimento (pensando aqui especialmente em sua consistência). Dessa forma, o gato reconhecerá formas diferentes de produto como alimento, facilitando seu manejo e aceitação futuramente.

O alimento úmido é produzido através do processo de esterilização/cozimento e/ou pasteurização e possui teores de umidade que variam de 30 a 84% (Manual Pet Food Brasil).

Esse tipo de alimento aumenta a ingestão involuntária de água e ajuda na diluição urinária​, além de atuar como um diluente calórico e promover a saciedade (ao contrário do seco, este terá em torno de 70% de água e 30% de matéria seca). Associado a esse benefício está a textura macia, que é um fator importante para animais em fase de desmame e também aqueles senis, que estão com dificuldade de mastigação.

O mix feeding

O Centro de Pesquisa em Nutrição e Bem-Estar Animal de Waltham tem estudado sobre o comportamento e as preferências dos gatos – e também dos cães – acerca de alimentos úmidos. Em suma, pode-se dizer que o perfil macronutricional de um alimento úmido costuma ser a preferência dessa espécie, porém, nem sempre é possível garantir a ingestão de todos os nutrientes necessários, nas concentrações necessárias, se fornecido somente o alimento úmido.

Isso pode ocorrer devido o volume das refeições exclusivas de alimentos úmidos ser bastante alto por causa da sua “diluição”. Esse é um dos motivos pelo qual deve-se optar pela mistura, a fim de garantir as experiências e os benefícios que o alimento úmido promove, associados ao enriquecimento nutricional da mesma versão seca.

Vantagens do mix feeding:

  1. Diversidade de aromas e texturas, levando a um enriquecimento de sensações;
  2. Promove experiência em filhotes em fase de socialização, evitando a neofobia;
  3. Opção para animais que desenvolvem aversão a um tipo de alimento;
  4. Responde ao comportamento neofílico dos gatos;
  5. Possibilita combinações para animais convalescentes, estimulando o apetite.

Uma vez que o estímulo das texturas seja atendido, é também muito importante a construção do enriquecimento ambiental para o manejo dietético. Órgãos internacionais de especialidade felina, como a ISFM e a AAFP, apontam cada vez mais a importância de se endereçar o momento da refeição com atividades que remetam ao comportamento natural de caça do gato. Uma das ferramentas são os food puzzle, ou jogos de quebra-cabeças para comida. Dessa forma, é possível reduzir o estresse dos gatos e aumentar sua sensação de bem-estar.

Alimentos úmidos para gatos

A ROYAL CANIN® possui uma linha completa de alimentos úmidos para gatos.

Referências bibliográficas

Buckley C. Effect of dietary water intake on urinary output, specific gravity and relative supersaturation for calcium oxalate and struvite in the cat. 2011

Buckley C. The benefits of feeding wet food formats. WCPN Internal Report, 2007

Case, L. P. et al. Canine and feline nutrition. 3 ed. Mosby Elsevier: Missouri. p. 163 – 176, 2011.

Chew, D. J.; Dibartola, S. P.; Schenck, P. A. Urologia e Nefrologia do Cão e do Gato. 2. ed. Saunders: Rio de Janeiro, p. 271 – 305, 2011.

Deng P, et al. Effects of feeding frequency and dietary water content on voluntary physical activity in healthy adult cats. 2014

MANUAL PET FOOD BRASIL 9a. ed. 2017

Maskell, Markwell. Effects on oral health in dogs and cats of introducing a dry component into a wet diet. WCPN Internal Report, 1992

Osborne, C. A. et al. Paradigms changes in the role of nutrition for the management of canine and feline urolithiasis. Vet Clin Small An. v. 38, p. 127 – 141, 2008.

Wei et al. Effect of water content in a canned food on voluntary food intake and body weight in cats. 2011 ​

Zoran, D. L. The Carnivore connection to nutrition in cats. J Am Vet Med Assoc, v. 221, n. 11, p. 1559 – 1567, 2002.