O metabolismo das fibras e do carboidrato para o paciente diabético

O metabolismo das fibras e do carboidrato para o paciente diabético

Introdução

Os carboidratos constituem a principal fonte de energia utilizada pelos seres vivos. A glicose é a base para a síntese de formas mais complexas de carboidratos e energia. Os carboidratos também possuem um papel importante na manutenção da integridade do trato digestório, por meio do consumo de alimentos ricos em fibras e, no fornecimento de energia para o cérebro e sistema nervoso. No organismo, a glicose é utilizada pelas células para produção de ATP. Cada grama de carboidrato fornece 4 kcal.

Metabolismo natural do carboidrato

Os carboidratos são utilizados pelas células geralmente na forma de glicose, sendo parte oxidada através do ciclo do ácido cítrico para o fornecimento de energia aos tecidos. O excesso de glicose é convertido em glicogênio ou ácidos graxos (reserva energética durante o jejum).
Após a digestão e a absorção dos carboidratos, a glicose, a galactose e a frutose são transportadas para o fígado, onde serão distribuídas para as células e utilizadas como fonte de energia (ATP). Também há a opção de armazenamento em forma de glicogênio, ou produção de ácido lático e gordura.
O glicogênio é a principal forma de armazenamento dos carboidratos nos músculos e fígado. Após a ingestão de alimento pelo cão ou gato, há a liberação de insulina, hormônio produzido pelas células pancreáticas e ativação de receptores celulares para captação de glicose para os tecidos. Em períodos de jejum há redução da concentração sanguínea de glicose e inibição da insulina e o estímulo à liberação do glucagon. No período de jejum prolongado, quando as reservas de glicogênio já foram esgotadas, o organismo consegue utilizar as proteínas como fonte energética. Em cães, o transporte de glicose parece ser mais rápido do que em gatos e até em humanos.

Figura 1 Controle glicêmico no organismo

Índice glicêmico

O índice glicêmico pode ser definido como uma escala de resposta glicêmica a uma quantidade fixa de carboidrato. É influenciado pelo processamento dos alimentos, mastigação, resposta fisiológica e metabólica e pela composição do alimento, como o teor de fibras, proteínas e lipídeos.

O paciente diabético

O cão e o gato diabéticos podem apresentar deficiência relativa ou absoluta de insulina. Nestes casos, a glicose proveniente da dieta ou da gliconeogênese acumula-se na circulação sanguínea levando a quadros de hiperglicemia. Nos animais com deficiência de insulina, há menor captação de glicose e a mesma tem a sua entrada diminuída no centro de saciedade, no hipotálamo, levando à polifagia.
A presença de carboidratos de digestão lenta favorece a menor flutuação glicêmica pós-prandial e melhor ajuste entre absorção da glicose e a ação da insulina.

Referências bibliográficas

BEHREND, E. et al. 2018 AAHA Diabetes Management Guidelines for Dogs and Cats. Journal of the American Animal Hospital Association, v. 54, n. 1, p. 1–21, 2018.

HOENIG, M. Comparative aspects of diabetes mellitus in dogs and cats. Molecular and Cellular Endocrinology, v. 197, n. 1–2, p. 221–229, 2002.

HOENIG, M. Carbohydrate Metabolism and Pathogenesis of Diabetes Mellitus in Dogs and Cats. In: [s.l: s.n.]. p. 377–412.

NELSON, R. W.; REUSCH, C. E. Animal models of disease: classification and etiology of diabetes in dogs and cats. The Journal of endocrinology, v. 222, n. 3, 2014.

NELSON, RW Diabetes mellitus In: Ettinger SJ, Feldman EC Textbook of Veterinary Internal Medicine, v 2, 7th ed , Saunders Elsevier: St Louis, p 1782- 1796, 2010.

NGUYEN, P. et al. Measurement of postprandial incremental glucose and insulin changes in healthy dogs: influence of food adaptation and length of time of blood sampling. The Journal of nutrition, v. 128, n. 12 Suppl, p. 2659S–2662S, 1998.

ZORAN, D. L.; RAND, J. S. The Role of Diet in the Prevention and Management of Feline Diabetes. Veterinary Clinics of North America – Small Animal Practice, v. 43, n. 2, p. 233–243, 2013.