Urolitíases: cães pequenos em risco

publicado em: 03/12/2018

As urolitíases ou cálculos urinários são um tipo específico de doença do trato urinário inferior, caracterizada pela presença de cristais (cristalúria) ou de concreções macroscópicas (pedras) associadas a manifestações clínicas do trato urinário inferior, como disúria, polaciúria e hematúria1. Na América do Norte e na Europa ocidental, as urolitíases são responsáveis por 15-20% das consultas relacionadas ao trato urinário inferior em gatos e cães2. O desenvolvimento de cálculos urinários está relacionado a diversos fatores de risco e pode ser causado por tipos diferentes de agregados minerais1.

 

A formação de um cálculo envolve alguns processos físico-químicos complexos. Os principais fatores são:
 

1. Supersaturação urinária resultando em formação de cristais (nucleação);
2. Efeitos de inibidores da nucleação mineral, da agregação e do crescimento de cristais;
3. Natureza dos cristaloides;
4. Efeitos dos promotores da agregação e do crescimento de cristais;
5. Efeitos da matriz não-cristaloide;
6. Retenção urinária ou trânsito urinário lento para que o processo ocorra3.

 

A supersaturação urinária é pré-requisito para a formação de um cálculo. Neste estágio, a cristalização pode ocorrer, pois a concentração dos íons cristalizantes é maior que seu produto de solubilidade (p. ex. a concentração em que os componentes de um cristal irão precipitar em um solvente [como a água] em uma determinada temperatura e – dependendo da natureza do cristal – em um determinado pH)4. De forma simples: é como quando sal é acrescido a um copo d’água. Se a quantidade de sal for pequena, a água o dissolverá. Quando a quantidade de sal ultrapassar a capacidade de dissolução da água, torna-se possível observar seus cristais do sal no fundo do copo.
 

O grau de supersaturação da urina afeta a nucleação, o crescimento e a agregação dos cristais – os três estágios que precedem a formação de cálculos macroscópicos. Portanto, o grau de supersaturação de um determinado cristal é um bom indicador do risco de formação de seu sal na urina, apesar de não considerar a influência de promotores e inibidores orgânicos de cristalização4. Com base na saturação, podemos classificar a urina em: solução estável (subsaturada) - é aquela onde as condições físico-químicas da urina não permitem a formação de cristais; solução metaestável (moderadamente saturada) - possui como característica a não formação espontânea de cristais, mas também não promove a dissolução de precipitados já formados; ou solução instável (supersaturada) – que se caracteriza por permitir a formação e a agregação de cristais e, consequentemente, a geração dos urólitos. A supersaturação relativa da urina (RSS) é uma metodologia que considera o pH urinário, o volume urinário e a concentração de 10 solutos, responsáveis pela formação dos principais cálculos em gatos e cães (cálcio, magnésio, oxalato, citrato, fosfato, sódio, potássio, amônio, sulfato e urato) da amostra. Tais dados são analisados por um programa de computador que calcula a concentração de um grande número de complexos formados pela interação dos diferentes íons presentes na amostra de urina em um dado pH. Assim, quanto mais baixo for o valor de RSS para um dado cristal, mais subsaturada estará a urina e menor a probalidade de um cálculo ser formado4, 5.


O cálculo do RSS urinário de gatos e cães alimentados com uma dieta específica pode ser utilizado para avaliar o efeito deste alimento na cristalização potencial da urina. Com base nesse resultado, mudanças na alimentação podem ser feitas para mitigar a probabilidade de formação de um cálculo. A forma mais simples de promover subsaturação urinária é por meio do aumento da ingestão hídrica e da produção urinária6-8. Isso pode ser feito de forma indireta, tanto pela utilização de alimentos úmidos, quanto pelo discreto aumento no teor de sódio no alimento seco (sempre dentro dos limites considerados seguros e dentro do recomendado por órgãos de renome, como o NRC9), para que assim ocorra o reflexo de sede no animal. Até o momento não há correlação entre um aumento moderado do consumo de sódio e o aumento da pressão arterial em animais saudáveis ou com Doença Renal Crônica 10, 11.

 


Figura: Zonas de RSS12 (adaptação).


 

            A urolitíase é, tipicamente, uma doença de animais adultos, e a idade média de diagnóstico em cães é entre 6 e 7 anos. Cães apresentam predisposição racial para a formação de alguns urólitos e são mais susceptíveis à formação de cálculos de estruvita secundária à infecção bacteriana do que gatos1. Cadelas parecem ter maior risco no desenvolvimento de cálculos de estruvita, urato e fosfato de cálcio, enquanto pedras de oxalato, cistina e sílica são mais observadas em machos1. Contudo, mais de 90% dos cálculos de gatos e cães são compostos por estruvita (fosfato de amônio magnesiano hexa-hidratado) ou oxalato de cálcio mono ou di-hidratado3.
 

       Cães de raças pequenas tendem a desenvolver urolitíase com maior frequência do que cães de raças grandes13, 14. Essa maior predisposição pode ser explicada pelo menor volume de urina produzida por estes cães e menor frequência na micção, levando a um maior tempo de retenção urinária na bexiga15, 16. A observação de que determinadas raças de cães estão em risco para a formação de cálculos suporta a hipótese de que alguns fatores ligados à urolitíase são herdados. Cálculos de estruvita são frequentemente diagnosticados em fêmeas de raças pequenas (até 10 kg quando adultas) e dentre as raças mais afetadas estão Bichon Frisé, Schnauzer miniatura, Shih Tzu e Pequinês17. Cálculos de oxalato de cálcio são muito comuns nas raças Bichon Frisé, Shih Tzu, Lhasa Apso, Yorkshire terrier e Schnauzer miniatura 13, 17, 18. Em estudo conduzido no Canadá, 60% dos cálculos analisados eram de cães de raças puras pequenas, e as cinco mais acometidas foram Shih Tzu, Schnauzer miniatura, Bichon Frisé, Lhasa Apso e Yorkshire terrier14. Um estudo verificou significativas diferenças na composição urinária de cães Schnauzer miniatura e Labradores, apesar de todos os animais serem alimentados com a mesma dieta. Os Schnauzer miniatura produziram menor volume urinário, apresentaram maior concentração de cálcio urinário, um pH mais alto e uma maior supersaturação urinária, o que pode contribuir com a alta prevalência de cálculos de oxalato de cálcio nesta raça16.  
 

Cães pequenos também apresentam alto risco para o desenvolvimento de doença periodontal19. O depósito de cálculo dental pode ser limitado por meio de duas estratégias relacionadas ao alimento: abrasão mecânica do croquete ao dente (que promove a desorganização do biofilme bacteriano) e a inclusão de tripolifosfato de sódio na dieta (que quela o cálcio salivar, o que atrasa a calcificação da placa dental)20. O apetite destes animais também tende a ser mais caprichoso. Existem fatores ambientais para isto (p. ex. o fornecimento de alimento caseiro ao animal), mas também componentes anatômicos que podem colaborar com a seletividade de cães de pequeno porte. Quando comparamos o número de células olfatórias de acordo com o porte dos cães, cães pequenos têm um número significativamente menor destas em ser organismo. Por exemplo, Dachshunds têm 125 milhões de células olfativas enquanto Pastores Alemães têm 200 milhões. Já a raça Shih Tzu possui cerca de 60 milhões de células olfatórias. Mudanças no perfil aromático do alimento, na sua textura e formato estimulam a palatabilidade do animal, garantindo que a dieta seja consumida e assim promova todos os seus benefícios nutricionais.
 

O uso de um alimento específico (que contenha matérias-primas com baixos teores de minerais e compostos precursores de cristais), o controle do pH urinário formado (usado especialmente para a dissolução de cálculos de estruvita) e o uso de estratégias que aumentem o volume urinário podem, de forma conjunta, atuar na diminuição da recidiva de urólitos, contribuindo com a manutenção da qualidade de vida do paciente. É sabido que cães de pequeno porte são predispostos à formação de cálculos urinários, cálculos dentais e que apresentam apetite caprichoso. Um alimento especificamente formulado para este porte pode atuar nestas três características de uma só vez.
 

 

    REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
  1. CASE, L. P. et al. Canine and feline nutrition – A resource for companion animal professionals. 3 ed. Missouri: Mosby Elsevier, 2011. p. 359-380.
  2. OSBORNE; C. A.; LULICH, J. P.; POLZIN, D. J. et al. Analysis of 77,000 canine uroliths. Perspectives from the Minnesota Urolith Center. Vet Clin of North Am Small Anim Pract, v. 29, n. 1, p. 17-38, 1999.
  3. FASCETTI, A. J.; DELANEY, S. J. Applied Veterinary Clinical Nutrition. 1 ed. Wiley-Blackwell: West Sussex, 2012. p. 269.
  4. QUÉAU, Y.; BIOURGE. V. Urinary relative supersaturation and urolithiasis risk. Vet Focus, v. 24, n. 1, p. 24-29, 2014.
  5. MARKWELL, P. J.; SMITH, B. H. E.; MCCARTHY, K. P. A non–invasive method for assessing the effect of diet on urinary calcium oxalate and struvite relative supersaturation in the cat. 61–67, 1999.
  6. LULICH, J. P.; OSBORNE, C. A.; THUNCHAI, R. Epidemiology of canine calcium oxalate uroliths – identifying risks factors. Vet Clin of North Am Small Anim Pract, v. 29, p. 113–122, 1999.
  7. LEKCHAROENSUK, C.; OSBORNE, C. A.; LULICH, J. P. et al. Associations between dry dietary factors and canine calcium oxalate uroliths. Am J Vet Res, v. 63, n. 3, p. 330-7, 2002.
  8. STEVENSON, A. E.; HYNDS, W. K.; MARKWELL, P. J. Effect of dietary moisture and sodium content on urine composition and calcium oxalate relative supersaturation in healthy miniature schnauzers and labrador retrievers. 145–151, 2003.
  9. NRC - Nutrient Requirements of dogs and cats. National Research Council of the National Academies. p. 162, 2006.
  10. LUCKSCHANDER et al. Dietary NaCl does not affect blood pressure in healthy cats. J Vet Intern Med, v. 18, n. 4, p. 463-7, 2004.
  11. REYNOLDS et al. Effects of dietary salt intake on renal function: a 2-year study in healthy aged cats. J Vet Intern Med, v. 27, p. 507-515, 2013.
  12. ROBERTSON, W. G. et al. J Nutrition, v.132, p.1637-1641S, 2002.
  13. HOUSTON, D. et al. Canine urolithiasis: a look at over 16,000 urolith submissions to the Canadian veterinary urolith centre from February 1998 to April 2003. Can Vet J, v. 45, p. 225 – 230, 2004.
  14. HOUSTON, D. et al. Canine and feline urolithiasis: examination over 50,000 urolith submissions to the Canadian Veterinary Urolith Centre from 1998 to 2008. Can Vet J, v. 50, p. 1263 -1268, 2009.
  15. LING, G. V. et al. Urolithiasis in dogs II: Breed prevalence and interrelations of breed sex age and mineral composition, Am J Vet Res, v. 59, n. 5, p. 630 – 642, 1998.
  16. STEVENSON, A. E.; MARKWELL, P. J. Comparison of urine composition of healthy Labrador Retrievers and Miniature Schnauzers. Am J Vet Res, v. 62, n. 1, p. 1782 – 1786, 2001.
  17. LOW, W. W. et al. Evaluation of trends in urolith composition and characteristics of dogs with urolithiasis: 25,499 cases (1985-2006). J Am Vet Med Assoc, v. 236, n. 2, p. 193-200, 2010.
  18. LEKCHAROENSUK, C.; LULICH, J. P.; OSBORNE, C. A. et al. Patient and environmental factors associated with calcium oxalate urolithiasis in dogs. J Am Vet Med Assoc, v. 217, p. 515-519, 2000.
  19. HARVEY, C. E.; SHOFER, F. S.; LASTER, L. Association of age and body weight with periodontal disease in North American dogs. J Vet Dent, v. 11, n. 3, p. 94-105, 1994.
  20. COX, E. R.; LEPINE A. J. Use of polyphosphates in canine diets to control tartar. IADR Conference, San Diego, 2002, Anais do congresso.