DISTÚRBIOS DIGESTIVOS EM CÃES FUNCIONAIS E ATLÉTICOS

publicado em: 28/11/2018

 

 

     LAURENCE YAGUIYAN-COLLIARD,
    
DVM (médica-veterinária), PhD, HDR
        National Veterinary School of Alfort (ENVA, Escola
     Veterinária Nacional de Alfort), França

 

 

     DOMINIQUE GRANDJEAN,
    DVM (médico-veterinário), PhD, HDR
       National Veterinary School of Alfort (ENVA, Escola
    Veterinária Nacional de Alfort), França

 


 

    INTRODUÇÃO

 

Os cães são amplamente utilizados pelo homem tanto para fins esportivos (p. ex., corridas de trenó, agility [agilidade], esqui) como para atividades voltadas ao trabalho (cães-guia, busca e resgate, postos policiais, etc.). Do ponto de vista comportamental e nutricional, o tratamento desses animais é algo único e peculiar, pois depende do tipo de trabalho realizado (provas de resistência ou velocidade), de sua intensidade e das condições ambientais sob as quais os cães são mantidos e empregados. Tal como acontece com o homem e os equinos, o estresse exerce um grande impacto sobre o bem-estar de um cão e, particularmente, pode ter uma enorme influência sobre a saúde e o desempenho dos cães funcionais e atléticos, sobretudo na função gastrintestinal (GI). Além de serem muito comuns nesses animais, os sinais de vômito, úlceras gástricas e diarreia afetam o desempenho deles, podendo até mesmo ser fatais. Distúrbios GI afetam seres humanos e animais atletas igualmente (cavalos e cães), mas a patogênese dessas doenças ainda é pouco compreendida; por isso, inúmeros parâmetros devem ser levados em conta ao se considerar as medidas preventivas.
 

 

CONSEQUÊNCIAS DO ESFORÇO FÍSICO SOBRE O TRATO GI



Os três distúrbios GI mais comuns são vômito, úlceras gástricas e diarreia. Essas manifestações clínicas resultam em perdas de água, nutrientes e eletrólitos. Isso diminui o desempenho e pode até ser fatal.
 

A ocorrência de vômito durante o esforço físico pode causar asfixia ou doença brônquica grave por aspiração desse vômito. Em todos os casos, o vômito provoca perda de água e eletrólitos e até perda de sangue se a mucosa gástrica estiver ulcerada. O vômito em cães de trabalho pode ter múltiplas origens, sejam elas psicológicas ou metabólicas. A presença de alimento no estômago durante o esforço físico também é um fator de risco. No entanto, doença inflamatória gástrica é a causa mais comum de vômito.
 

O exame endoscópico de cães de trenó após corridas de longa distância revelou lesões gástricas visíveis em 50-70% dos cães, algumas vezes somente após 1 dia de corrida. Embora dietas ricas em gordura ou sensibilidades individuais tenham sido incriminadas, as lesões parecem ser uma consequência direta do esforço físico, o que é particularmente intenso e prolongado nesse tipo de corrida. Esse fenômeno também é observado em seres humanos atletas e cavalos de corrida.
 

Sabe-se que a hipertermia prolongada que acompanha o esforço físico aumenta a permeabilidade intestinal, desde o estômago até a porção distal do intestino grosso. Essa permeabilidade aumentada pode significar que a mucosa gástrica talvez reaja à acidez estomacal, provocando inflamação, erosão e ulceração. Isso também pode explicar, pelo menos em parte, a incidência de diarreia em cães funcionais e atléticos.
 

Embora a diarreia raramente seja um motivo para aposentar um cão ou afastá-lo de uma corrida, trata-se de um sinal comum em cães de trenó e, provavelmente, diminui o desempenho do animal.
 

Além de problemas parasitários e infecciosos, a dieta pode ser uma fonte de distúrbios GI. Especialmente para os cães que trabalham em condições extremas e por períodos prolongados (p. ex., cães de trenó, cães de busca e resgate), é imprescindível uma dieta de altíssima qualidade para fornecer a energia necessária. Por exemplo, a necessidade energética de manutenção (NEM) para um Husky siberiano de 25 kg em uma região de clima temperado gira em torno de 1.200 kcal de energia metabolizável (EM)/dia, enquanto um cão da mesma raça que participa da corrida de trenó de Yukon Quest de 1.600 km a uma temperatura ambiente entre – 20 e – 50°C necessitará de mais de 9.500 kcal de EM/dia. Para suprir essas necessidades e garantir um aporte energético suficiente às células durante o esforço prolongado, as porções alimentares para os cães de trenó são particularmente ricas em lipídeos. Esse conteúdo rico em gordura significa que as capacidades digestivas do cão podem ser excedidas, resultando em má-digestão e má-absorção. As partículas não digeridas são fermentadas ou putrefeitas pelas bactérias colônicas. Além de desequilibrar a flora bacteriana normalmente, esses produtos de degradação provocam inflamação da mucosa intestinal e geram um efeito osmótico indutor de liquefação das fezes. O envolvimento de microrganismos GI patogênicos, como Clostridium e Salmonella, por si só, não explica a prevalência de diarreia em cães de trenó.


 

    CONCLUSÃO

 

O emprego do cão para fins esportivos ou no trabalho, tal como acontece com os atletas humanos, impõe restrições ou limitações psicológicas e físicas às quais o animal precisa superar. Evidentemente, a capacidade de responder ao estresse e superá-lo dependerá da constituição genética do animal e de seu nível de adestramento/treinamento. Contudo, fatores como condições de vida, cuidados de saúde preventivos e dieta, além do aquecimento antes do exercício e da recuperação após essa atividade, precisam ser otimizados pelo médico-veterinário e por outros profissionais que cuidam dos cães de trabalho, para garantir que estes alcancem e conservem o melhor estado de saúde possível. 


 

    REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

1. Huson HJ, Ostrander EA, Ruvinsky A. Genetic aspects of performance in working dogs. In The genetics of the dog, eds. Ostrander EA and Ruvinsky A, 2nd Ed: Oxford, CABI Publishing, 2012; 477-484.

2 Dennis MM, Nelson SN, Cantor GH, et al. Assessment of necropsy findings in sled dogs that died during Iditarod Trail sled dog races: 23 cases (1994-2006). J Am Vet Med Assoc 2008;232:564-573.

3. Davis MS, Willard MD, Nelson SL, et al. Prevalence of gastric lesions in racing Alaskan sled dogs. J Vet Intern Med 2003;17:311-314.

4. Davis MS. Gastritis/gastric ulcers in canine athletes. In Proceedings, ISDVMA 11th Biennial Meeting, Banff 2012;54-56.

5. Michel H, Larrey D, Blanc P. Hepato-digestive disorders in athletic practice [em francês]. Presse Med 1994;23:479-484.

6. Murray MJ, Schusser GF, Pipers FS, et al. Factors associated with gastric lesions in thoroughbred racehorses. Equ Vet J 1996;28:368-374.

7. Davis MS, Willard M, Williamson K, et al. Temporal relationship between gastrointestinal protein loss, gastric ulceration or erosion, and strenuous exercise in racing Alaskan dogs. J Vet Intern Med 2006;20:835-839.

8. Yazwinski M. Assessment of serum myokines and markers of inflammation associated with exercice in sled dogs; and dietary analysis and kilocalories fed during the Yukon Quest. In Proceedings, ISDVMA 11th Biennial Meeting,Banff 2012;51-53.

9. Reynolds AJ, Fuhrer L, Dunlap HL, et al. Lipid metabolite responses to diet and training in sled dogs. J Nutr 1994;124:2754S-2759S.

10. MacKenzie E, Riehl J, Banse H, et al. Prevalence of diarrhea and enteropathogens in racing sled dogs. J Vet Intern Med 2010;24:97-103.

11. Steege RWFT and Kolkman JJK. Review article: the physiopathology and management of gastrointestinal symptoms during physical exercise, and the role of splanchnic blood flow. Aliment Pharmal Ther 2012;35(5):516-28.

12. Sanchez LD, Tracy JA, Berkoff D, et al. Ischemic colitis in marathon runners: A case-based review. J Emerg Med 2006;30:321-326.

13. Baskin CR, Hinchcliff KW, DiSylvestro RA, et al. Effect of dietary antioxidant supplementation on oxidative damage and resistance to oxidative damage during prolonged exercise in sled dogs. Am J Vet Res 2000;61:886-891.

14. Kronfeld DS and Downey RL. Nutritional strategies for stamina in dogs and horses. Proc Nutr Soc Aust 1981;6:21-29.

15. Andrews FM, Sifferman RL, Bernard W, et al. Efficacy of omeprazole paste in the treatment and prevention of gastric ulcers in horses. Equ Vet J Suppl 1999:29;81-86.

16. Jenkins CC, DeNovo RC, Patton CS, et al. Comparison of effects of cimetidine.

17. Grandjean D, Crépin F, Paragon BM. The interest of smectite in acute diarrhea in sled dogs [in French]. Recueil de Médecine Vétérinaire 1992;168(5):323-329.

18. Swanson KS, Grieshop CM, Flickinger EA, et al. Supplemental fructooligosaccharides and mannanoligosaccharides influence immune function, ileal and total tract nutrient digestibilities, microbial populations and concentrations of protein catabolites in the large bowel of dogs. J Nutr 2002;132(5):980-989.

19. Mickelborough TD. Omega-3 polyunsaturated fatty acids in physical performance optimization. Int J Sport Nutr Exerc Metab (in press).